Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Confiança em máximos e inflação mais elevada apontam para subidas de juros na Europa

A confiança dos consumidores e dos empresários da Zona Euro cresceu em Abril para o nível mais elevado dos últimos cinco anos, ao mesmo tempo que a inflação acelerou a um ritmo superior ao esperado. Estes dados sugerem que o Banco Central Europeu (BCE) es

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 28 de Abril de 2006 às 11:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A confiança dos consumidores e dos empresários da Zona Euro cresceu em Abril para o nível mais elevado dos últimos cinco anos, ao mesmo tempo que a inflação acelerou a um ritmo superior ao esperado. Estes dados sugerem que o Banco Central Europeu (BCE) está a ganhar mais espaço para fazer novos aumentos dos juros.

O índice de sentimento económico entre as empresas e as famílias da Zona Euro subiu para os 105,3 pontos em Abril, o que compara com os 103,6 pontos registados em Março e com a queda para os 103,3 pontos estimada pelos analistas consultados pela Bloomberg.

Os dados hoje divulgados pela Comissão Europeia revelam ainda que a inflação na região cresceu 2,4% no mês em análise face ao mesmo período do ano passado, o que representa a maior subida desde Janeiro. Os economistas consultados pela Bloomberg esperavam que a inflação se situasse nos 2,3%.

Estes números aumentam a especulação em torno de subidas de juros por parte do BCE, com os dados económicos a sugerirem que a economia da Zona Euro está a recuperar o que dá espaço à autoridade monetária da região para subir os juros.

Os responsáveis do BCE vão reunir na próxima quinta-feira, mas não se antevê alterações na taxa de referência depois do presidente da instituição, Jean-Caude Trichet, ter afirmado após a reunião Abril que as expectativas que o mercado estava a criar em relação a uma subida de juro em Maio ia contra a estimativas da autoridade monetária.

Uma subida de juros para 2,75% está prevista para Junho e os economistas estimam que o preço do dinheiro aumente para 3,25% até ao final do ano.

Ver comentários
Outras Notícias