Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Crédito à habitação reduz pelo terceiro mês consecutivo

O montante total de empréstimos à habitação subiu 100 milhões de euros face ao valor registado em setembro, Já os depósitos também aumentaram relativamente ao mesmo mês.

Pressionados pela diminuição de outras fontes de receita e pelo esmagamento da margem financeira, os bancos voltam-se cada vez mais para as comissões.
João Cortesão
Diogo Mendo Fernandes diogofernandes@negocios.pt 28 de Novembro de 2022 às 12:13
As poupanças das famílias em Portugal nos bancos estão a aumentar, depois de uma descida registada em setembro. Ao mesmo tempo, os empréstimos concedidos estão a recuar pelo terceiro mês consecutivo.

"No final de outubro de 2022, os depósitos de particulares nos bancos residentes totalizavam 182,1 mil milhões de euros e os das empresas 65,1 mil milhões de euros. Os depósitos de particulares aumentaram 0,8 mil milhões de euros relativamente a setembro", refere o relatório divulgado esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Depois de uma queda em setembro, os depósitos das famílias voltaram a subir em outubro e encontram-se assim 7% acima do valor registado em outubro de 2021.

No caso das empresas, os depósitos aumentaram 800 milhões de euros em relação a setembro deste ano e registaram um crescimento de 9,8% relativamente ao mesmo mês do ano passado - interrompendo assim seis meses consecutivos de desaceleração.

Relativamente ao crédito, o montante total de empréstimos para habitação era de 100,1 mil milhões de euros no final de outubro, um aumento de 100 milhões de euros face ao registados em setembro. "Esta evolução representa um crescimento de 4,2% em relação a outubro de 2021, desacelerando pelo terceiro mês consecutivo", revela o Banco de Portugal.

Os empréstimos ao consumo totalizavam 20,7 mil milhões de euros, o que reflete um crescimento de 6% relativo a outubro de 2021 (6,3% no mês anterior).

Por último, o montante de empréstimos concedidos pelos bancos às empresas era de 76,2 mil milhões de euros, o que representa uma redução de 500 milhões de euros face ao registado em setembro. Já relativamente a outubro de 2021, este valor corresponde um crescimento de 1,1%.
Ver comentários
Saber mais Banco de Portugal Portugal macroeconomia banco central
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio