Bolsa Desvalorização do cobre pesa em Wall Street

Desvalorização do cobre pesa em Wall Street

As bolsas norte-americanas fecharam em terreno negativo, com excepção de uma subida marginal do Dow Jones. A pressionar a tendência esteve a queda das cotações do cobre, que penalizou os títulos das matérias-primas.
Desvalorização do cobre pesa em Wall Street
Reuters
Carla Pedro 03 de maio de 2017 às 21:23

O Dow Jones terminou a sessão desta quarta-feira em alta muito ligeira, a somar 0,03% para 20.957,12 pontos.

 

Já o Standard & Poor’s 500 encerrou a ceder 0,13% para se fixar nos 2.388,13 pontos. O índice tem andado a rondar os máximos históricos, atingidos na sessão de 1 de Março, nos 2.400,98 pontos, e ontem esteve a apenas 6,5 pontos de o conseguir já que na negociação intradiária chegou aos 2.392,93 pontos. Hoje, já se distanciou um pouco mais.

 

Também o tecnológico Nasdaq Composite terminou no vermelho, a corrigir dos recentes ganhos que lhe valeram várias sessões consecutivas a marcar recordes de fecho e máximos históricos na negociação intradiária. O índice recuou 0,37% para 6.072,55 pontos, depois de na véspera ter atingido um novo máximo histórico nos 6.102,72 pontos.

 

Na sessão de hoje, foi um metal industrial o responsável pelo movimento generalizadamente negativo: o cobre. O metal vermelho esteve a perder terreno, tendo registado a maior queda desde 2015, o que pressionou os metais de base e, por arrasto, grande parte das matérias-primas deste sector e os títulos que lhes estão associados.

 

Quanto à decisão da Reserva Federal norte-americana de deixar inalterada a taxa directora, já era mais do que esperada e tinha sido largamente antecipada pelos mercados, pelo que não teve influência de relevo na negociação.

 

Os responsáveis da Reserva Federal norte-americana deixaram inalterada a taxa directora dos fundos federais e sublinharam que a recente desaceleração do crescimento económico dos EUA foi temporária, pelo que a via do endurecimento da sua política monetária é para prosseguir gradualmente.

 

Os investidores aguardavam com expectativa a apresentação dos resultados de cotadas como o Facebook e a Tesla após o fecho das bolsas do outro lado do Atlântico.

 

Além disso, o mercado aguarda pelo relatório sobre o emprego nos EUA – isto depois de o crescimento do PIB no primeiro trimestre ter saído abaixo do esperado –, que será divulgado na sexta-feira.

 

A segunda volta das eleições presidenciais em França no próximo domingo, 7 de Maio, está também a contribuir para a cautela do mercado, se bem que as projecções apontem para que o centrista Emmanuel Macron vença a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen.




Marketing Automation certified by E-GOI