Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Do IGCP para os CTT, os certificados de aforro levaram a uma burla de 981 mil euros

Primeiro foram ao IGCP, depois aos CTT. Ficaram com 981 mil euros resgatados de um certificado de aforro. Compraram uma casa e fizeram aplicações em nomes de familiares. Estão agora indiciados de burla qualificada e branqueamento de capitais.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 16 de Setembro de 2016 às 20:57

Esta história começa com uma morte. Em seguida, é forjada uma procuração em nome do falecido. Duas pessoas, um homem e uma mulher, usam a falsa procuração. Junto do IGCP, a agência que gere a dívida pública, pedem segundas vias dos certificados de aforro em nome do indivíduo já falecido. E é aqui que conseguem dinheiro que, segundo a justiça, não lhes pertence.

 

Com as segundas vias, vão aos CTT resgatar os certificados de aforro. Conseguem. Recebem 981.291,89 euros. Tudo é relatado numa nota de imprensa publicada no site da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

 

Com o dinheiro obtido, e "visando esconder a origem do montante em causa, os arguidos adquiriram um imóvel, em nome do filho menor". Não só: segundo a nota, também houve transferências de dinheiro. Foram, igualmente, realizadas aplicações em instrumentos financeiros "em nome de outros familiares".

 

Segundo a PGDL, estes factos, que levaram a um primeiro interrogatório judicial esta quinta-feira 15 de Setembro, configuram indícios dos crimes de burla qualificada e branqueamento de capitais.

 

"Os arguidos ficaram sujeitos às medidas de coacção de obrigação de apresentação periódica às autoridades policiais e proibição de se ausentarem do país, por se verificarem os perigos de fuga e de continuação da actividade criminosa", assinala ainda o mesmo comunicado, que indica que a investigação está a correr na 8ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa juntamente com a Polícia Judiciária.


(Título corrigido às 21:20)

Ver comentários
Saber mais CTT Lisboa Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa PJ. certificados de aforro
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio