Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

EDP dispara mais de 2% para máximo de 2001

A Energias de Portugal (EDP) subiu mais de 2% para o nível mais elevado desde Abril de 2001, a beneficiar de revisões em alta por parte de algumas casas de investimento. Os operadores dizem que os títulos, na véspera da AG, podem subir mais.

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 29 de Março de 2006 às 11:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Energias de Portugal (EDP) subiu mais de 2% para o nível mais elevado desde Abril de 2001, a beneficiar de revisões em alta por parte de algumas casas de investimento. Os operadores dizem que os títulos, na véspera da AG, podem subir mais.

Nos últimos dias a eléctrica nacional tem sido alvo de revisões de recomendações por parte de casas de investimento. Ainda ontem o Banif aumentou para 3,0 euros o preço-alvo para a EDP.

Estas revisões foram apontadas pelos operadores consultados pelo Jornal de Negócios Online como a maior razão para a subida das acções da EDP que seguiam a subir 2,3% para os 3,11 euros, o que representa o valor mais elevado desde Abril de 2001. Já foram negociadas quase 20 milhões de acções da eléctrica, registando-se uma passagem em bolsa de 2 milhões a 3,09 euros por unidade.

Francisco Guarmon, operadora da Probolsa, adiantou que a EDP «já tem vindo a subir há algum tempo», tendo «uma resistência nos 3,05 euros» e superando esta barreira poderá subir mais.

Para além deste factor e das revisões em alta de algumas casas de investimento, o facto das energéticas europeias estarem a registar ganhos também ajudam a EDP a crescer em bolsa, bem como o facto de se estar a aproximar a data de pagamento de dividendo. A assembleia-geral da EDP vai decorrer amanhã, onde deverá der aprovada a remuneração aos accionistas, bem como a nomeação dos novos órgãos sociais, com a entrada de Mexia para o cargo de CEO.

Ainda ontem, o Banif explicava no «research» que apesar da possibilidade da EDP ser alvo de uma oferta de compra ser reduzido, a eléctrica nacional ainda vai beneficiar de movimentos corporativos.

Ver comentários
Outras Notícias