Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Energias do Brasil deve encaixar 480 milhões de euros com IPO (act)

A Energias do Brasil anunciou hoje o prospecto da oferta pública inicial que vai fazer na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), estimando que o preço de subscrição fique entre 22 a 28 reais (7,5 a 9,6 euros) por acção, num encaixe total de 1,4 mil milh

Bárbara Leite 20 de Junho de 2005 às 18:38
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Energias do Brasil anunciou hoje o prospecto da oferta pública inicial que vai fazer na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), estimando que o preço de subscrição fique entre 22 a 28 reais (7,5 a 9,6 euros) por acção, num encaixe total de 1,4 mil milhões de reais (480 milhões de euros), segundo os cálculos do Jornal de Negócios Online.

A participada da EDP [edp] no mercado eléctrico brasileiro anunciou que vai vender um total de 24.161.000 acções no âmbito do IPO, bem como uma oferta no valor de 670 milhões de reais (230 milhões de euros) relativas ao pagamento da Sénior Notes da Escelsa com vencimento no ano de 2007. Ou seja, a Energias do Brasil vai também converter dívida em acções.

Os bancos responsáveis estimam que, o preço que será determinado em processo de «bookbulding», fique entre os 22 a 28 reais por cada título. Tomando em consideração que o preço médio será de 25 reais (8,6 euros) por título, o encaixe do IPO seria de 605 milhões de reais (208 milhões de euros), mais os 670 milhões de reais da outra oferta, a operação corresponderá a um encaixe a cerca de 1,3 mil milhões de reais (446 milhões de euros).

Mais a opção de "green shoe" de 15% ou 3.624.150 acções, a oferta valerá cerca de 1,4 mil milhões de reais (480 milhões de euros), segundo os nossos cálculos.

Oferta a 13 de Julho

Segundo o prospecto da operação, o período de reserva para os títulos vai decorrer entre os dias 27 deste mês e 6 de Julho, para os actuais accionistas, enquanto que para os investidores não institucionais, a oferta decorrerá até ao dia 11 de Julho.

O Coordenador líder do IPO é o Banco UBS e os coordenadores são o Banco Itaú BBA e Banco Pactual. Os coordenadores contratados são o Banco Bradesco, o Credit Suisse First Boston o BB Banco de Investimento e o Banco Espírito Santo de Investimento.

A Caixa Banco de Investimento será coordenadora na angariação de investidores no exterior.

As novas acções deverão ser listadas em Bolsa no dia 13 de Julho e a data de liquidação deve ocorrer a 18 de Julho. Serão entretanto realizados «road shows» no Brasil e no estrangeiro.

Além destas duas ofertas, poderá ainda, se os accionistas assim o desejarem, acontecer uma oferta secundária mas nada ainda está definido.

EDP baixa para 63% do capital

De acordo com os cálculos do Jornal de Negócios Online, no final do IPO, a eléctrica portuguesa ficará com 63% do capital social da Energias do Brasil, face aos actuais 68%.

A empresa portuguesa detém os 68% na Energias do Brasil, através de três participadas  que não devem acorrer à operação. Os outros dois veículos, a Balwerk Consultoria e a Electricidade de Portugal Internacional, também não devem acompanhar a operação, devendo a eléctrica reduzir a sua presença na subsidiária brasileira em cinco pontos percentuais.

É que se por um lado, a empresa desce a sua posição com a oferta primária para cerca de 54%, se tomarmos em consideração a oferta dos 670 milhões de reais de dívida que serão convertidos em títulos para a EDP, de acordo com o prospecto, a EDP fica com 63%.

*Correspondente em São Paulo

Outras Notícias