Taxas de juro Euribor a seis meses renova mínimo histórico antes do BCE

Euribor a seis meses renova mínimo histórico antes do BCE

As taxas Euribor desceram hoje a seis meses, para um novo mínimo de sempre, e a 12 meses e mantiveram-se a três e nove meses em relação a terça-feira.
Euribor a seis meses renova mínimo histórico antes do BCE
Bloomberg
Negócios com Lusa 24 de janeiro de 2018 às 10:59

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 6 de Novembro de 2015, desceu hoje para -0,278%, um novo mínimo de sempre e menos 0,2 pontos base do que na terça-feira.

 

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 5 de Fevereiro de 2015, também recuou hoje, para -0,192%, menos 0,1 pontos base do que na véspera e contra o actual mínimo de sempre, de -0,194%, verificado pela primeira vez em 18 de Dezembro passado.

 

Esta evolução acontece na véspera da reunião mensal do BCE, com os investidores a aguardarem sinais sobre a altura em que o banco central poderá retirar os estímulos à economia. A forte recuperação da Zona Euro tem alimentado a especulação de que a retirada pode ser feita mais cedo do que o previsto.  

 

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, manteve-se pela sexta sessão consecutiva em -0,328%, contra o actual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de Abril do ano passado. A nove meses, a Euribor foi hoje fixada de novo em -0,224%, actual mínimo de sempre, de -0,224%, registado pela primeira vez em 27 de Outubro.

 

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub