Câmbios Euro regista a maior queda mensal do último ano

Euro regista a maior queda mensal do último ano

A moeda única europeia prepara-se para terminar o mês de Fevereiro com a descida mais pronunciada desde Fevereiro de 2017.
Euro regista a maior queda mensal do último ano
Negócios 28 de fevereiro de 2018 às 12:00

A moeda única europeia descia 0,07%, para 1,2224 dólares, elevando para 1,53% a queda acumulada no mês de Fevereiro.

A confirmar-se este desempenho no final da sessão, o euro sofrerá assim a maior descida no espaço de um ano. A última vez que o euro caiu de forma mais significativa foi em Fevereiro de 2017.

Esta queda pronunciada da moeda única europeia face ao dólar acontece devido à expectativa de mais subidas graduais das taxas de juros nos EUA, sugerida esta terça-feira, 27 de Fevereiro, pelo presidente Reserva Federal (Fed), Jerome Powell.

Se se concretizar este cenário, a diferença das taxas de juro entre os dois lados do Atlântico vai aumentar. Um panorama animador para o dólar, isto porque os investimentos feito nesta moeda acabam por se tornar mais atractivos, uma vez que o seu retorno será maior, face aos feitos em euros (cujos juros associados são mais baixos).  

A influenciar esta queda está também a taxa de inflação na Zona Euro que, em Fevereiro, desceu para 1,2%, segundo a estimativa rápida divulgada esta quarta-feira, 28 de Fevereiro, pelo Eurostat. Uma descida que retira pressão sobre o Banco Central Europeu (BCE) para que comece a retirar estímulos à economia mais cedo. Isto porque, a meta do BCE é de uma inflação "próxima mas abaixo de 2%". O mês de Fevereiro é o terceiro mês consecutivo de abrandamento da taxa de inflação na Zona Euro. 

Actualmente a taxa de juro directora praticada pelo BCE é de 0%, enquanto a taxa nos EUA encontra-se entre os 1,25% e os 1,5%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub