Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Euro atinge novo recorde nos 1,5587 dólares

A moeda europeia voltou a atingir um máximo histórico e aproxima-se dos 1,56 dólares com o mercado a recear que a injecção de liquidez da Reserva Federal (Fed) americana não seja suficiente para estimular a economia norte-americana e que a autoridade lide

Paulo Moutinho 13 de Março de 2008 às 07:23
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A moeda europeia voltou a atingir um máximo histórico e aproxima-se dos 1,56 dólares com o mercado a recear que a injecção de liquidez da Reserva Federal (Fed) americana não seja suficiente para estimular a economia norte-americana e que a autoridade liderada por Ben Bernanke volte a cortar as taxas de juro nos EUA.

O euro [eur] seguia a valorizar 0,01% para os 1,5552 dólares. A moeda única da Zona Euro atingiu já uma nova marca histórica ao ser transaccionada, pela primeira vez, nos 1,5587 dólares. No acumulado do ano, a divisa soma já mais de 6,6% no câmbio face à moeda norte-americana.

A Fed anunciou na terça-feira a abertura de uma linha de crédito aos bancos de até 200 mil milhões de dólares e a criação de um novo instrumento, o "Term Securities Lending Facility" que possibilitará à entidade liderada por Ben Bernanke trocar obrigações do tesouro por hipotecas com classificação máxima de risco que são menos líquidas.

O objectivo da autoridade monetária é o de aumentar a liquidez nos mercados. No entanto, o mercado acredita que esta medida não será suficiente e continua a acreditar que a Fed vai ter de cortar as taxas de juro.

A instituição liderada por Ben Bernanke já reduziu os juros dos 5,25% para os actuais 3%, desde o mês de Setembro. Os analistas estão confiantes de que a Fed vai baixar novamente a taxa directora, apostando numa redução de 75 pontos base para 2,25%, na reunião de 18 de Março.

Esta queda do dólar para mínimo recorde face ao euro – que continua suportado na perspectiva de que o Banco Central Europeu (BCE) deverá manter a sua taxa de juro de referência nos 4% – está a provocar um aumento dos investimentos nas matérias-primas, nomeadamente no petróleo.

Outras Notícias