Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Euro ganha com indícios de manutenção de juros nos EUA

O euro avançava 0,62% face ao dólar, depois de hoje Alan Greenspan ter adiantado que a recuperação da economia norte-americana ainda é «incerta», sugerindo que irá deixar inalteradas as taxas de juro nos próximos meses.

João Mata 17 de Abril de 2002 às 18:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O euro avançava 0,62% face ao dólar, depois de hoje o presidente da Reserva Federal (FED), Alan Greenspan, ter adiantado que a recuperação da economia norte-americana ainda é «incerta», sugerindo que irá deixar inalteradas as taxas de juro nos próximos meses.

A moeda única [EUR] cotava nos 0,8882 dólares e crescia 0,31% relativamente á divisa japonesa, ao negociar nos 116,09 ienes.

Alan Greenspan considerou hoje que a amplitude da retoma económica dos Estados Unidos ainda é incerta, enquanto as pressões inflacionistas estão na sua maioria «ausentes» na maior economia mundial.

«A FED deverá ter várias oportunidades para ajustar a sua política monetária, no sentido de conter as pressões inflacionistas, a partir do momento em que se verifique uma expansão sustentada e sólida da economia», reforçou o mesmo responsável.

As declarações de Greenspan sugerem que a Reserva Federal acredita que a recuperação económica dos EUA ainda não é certa, apesar dos indicadores revelados nas últimas semanas, que apontaram para a melhoria da actividade em vários sectores.

A produção industrial norte-americana cresceu em Março ao ritmo mais elevado em 22 meses, enquanto os preços no consumidor avançaram 0,3%, abaixo da progressão de 0,5% estimada em média pelos analistas.

No entanto, os mercados acreditam que a FED irá deixar a sua taxa de juro de referência inalterada até meados deste ano, depois das declarações de hoje terem sido consideradas «cautelosas» por analistas citados pelas agências internacionais.

No ano passado, a FED cortou o preço do dinheiro nos EUA até aos actuais 1,75%, o valor mais baixo em quatro décadas, na tentativa de suportar o consumo, estimulando dessa forma a economia norte-americana.

Ver comentários
Outras Notícias