Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Euro indiferente à queda inesperada da inflação nos EUA

O euro seguia pouco alterado face ao dólar, tendo mostrado indiferença ao facto da inflação nos EUA ter caído inesperadamente em Dezembro. Este dado poderá levar a Reserva Federal da maior economia do mundo a abrandar o ritmo de subida dos juros e consequ

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 18 de Janeiro de 2006 às 16:11
  • Partilhar artigo
  • ...

O euro seguia pouco alterado face ao dólar, tendo mostrado indiferença ao facto da inflação nos EUA ter caído inesperadamente em Dezembro. Este dado poderá levar a Reserva Federal da maior economia do mundo a abrandar o ritmo de subida dos juros e consequentemente diminuir o diferencial entre os dois lados do Atlântico.

No entanto, contra a moeda norte-americana o euro seguia apenas com ganhos ligeiros de 0,04% para os 1,2111 dólares.

A inflação nos EUA caiu inesperadamente em Dezembro devido à descida dos preços da Energia. Esta é a segunda queda mensal consecutiva e contrasta com uma subida esperada pelos economistas.

Os preços no consumidor norte-americano deslizaram 0,1% depois de uma perda de 0,6% em Novembro, anunciou hoje o Departamento do Trabalho. Excluindo a alimentação e a Energia, os preços não cresceram mais rapidamente do que no período homólogo o que sustenta a visão da Reserva Federal (Fed) de que a inflação permanece controlada.

Esta queda nos preços surpreendeu uma vez que os economistas consultados pela Bloomberg esperavam que a inflação tivesse aumentado 0,2% no mês em análise.

O facto da inflação ter caído poderá levar a Fed a abrandar o ritmo de subida na sua taxa de juro de referência o que, a acontecer, poderia diminuir o diferencial entre os dois lados do Atlântico. No ano passado o euro perdeu cerca de 13% exactamente devido a esse diferencial de 2 pontos percentuais.

Hoje foi também divulgado que os investidores estrangeiros aumentaram em 89,1 mil milhões de dólares as suas compras líquidas de activos norte-americanos no mês de Novembro, procurando as taxas de juro e retornos mais elevados da maior economia mundial.

Ver comentários
Outras Notícias