Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Excedente comercial da China cresce para o dobro em Maio

O excedente da balança comercial da China atingiu os 7,28 mil milhões de euros (8,99 mil milhões de dólares) em Maio, quase o dobro do valor alcançado no mês anterior, divulgou o departamento do comércio do país.

Maria João Soares mjsoares@negocios.pt 10 de Junho de 2005 às 13:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O excedente da balança comercial da China atingiu os 7,28 mil milhões de euros (8,99 mil milhões de dólares) em Maio, quase o dobro do valor alcançado no mês anterior, divulgou o departamento do comércio do país.

As exportações cresceram 30%, face ao mesmo mês do ano passado, para 47,91 mil milhões de euros (58,4 mil milhões de dólares) enquanto as importações aumentaram 15% para os 40,53 mil milhões de euros (49,4 mil milhões de dólares).

O excedente comercial atingiu assim, em Maio, os 7,28 mil milhões de euros (8,99 mil milhões de dólares) quase o dobro dos 4,59 mil milhões de dólares registados em Abril.

O Governo dos Estados Unidos tem estado a pressionar a China para abandonar o regime de indexação ao dólar culpando o baixo preço das importações chinesas pelo aumento do desemprego norte-americano nos últimos três anos.

Guerra dos têxteis estende-se ao calçado na Europa

Também os países da Europa têm estado em disputa com a China por causa do sector dos têxteis.

O comissário europeu para o Comércio, Peter Mandelson, chegou hoje a Xangai, para negociações com o homólogo chinês, Bo Xilai, numa tentativa de alcançar um acordo de última hora com a China na questão dos têxteis, segundo a Lusa.

A União Europeia pretende criar restrições às importações dos têxteis chineses, nomeadamente os das categorias de t-shirts e fio de linho. O prazo definido para a UE para chegar a um acordo com a China sobre as duas categorias de têxteis termina no sábado.

Por outro lado, enquanto a «guerra» dos têxteis decorre, está a rebentar uma nova disputa, desta vez em relação aos sapatos fabricados na China.

Três países da EU, Portugal, Espanha e Itália, querem que Bruxelas accione o processo com vista à imposição de restrições contra a China.

Outras Notícias