Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsa europeias recuperam em dia de subida de juros

Fecho dos mercados: Bolsa europeias recuperam em dia de subida de juros

As bolsas europeias fecharam o dia em alta, num dia de subida das taxas de juro na Europa e de valorização do dólar.
Fecho dos mercados: Bolsa europeias recuperam em dia de subida de juros
Reuters

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,24% para 5.448,81 pontos

Stoxx 600 ganhou 0,60% para 380,51 pontos

S&P 500 desvaloriza 0,02% para 2.731,57 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal sobe 2,5 pontos base para 2,046%

Euro recua 0,48% para 1,2347 dólares

Petróleo desce 0,26% para 65,50 dólares por barril, em Londres

 

Bolsas europeias em alta

As principais praças do Velho Continente terminaram a sessão desta terça-feira, 20 de Fevereiro, em alta a recuperarem das quedas recentes, numa altura em que investidores continuam a olhar para os resultados de empresas. O Stoxx 600, índice de referência, avançou 0,60%.

Em Lisboa, o PSI-20 ganhou 0,24%, à boleia dos ganhos do sector da pasta e do papel, bem como das acções da Mota-Engil e Jerónimo Martins. A Navigator subiu 4,05% para 4,416 euros, a Semapa ganhou 2,76% para 18,62 euros, depois de na passada sexta-feira ter reportado ao mercado um resultado líquido atribuível aos accionistas no ano passado de 124,1 milhões de euros, o que representa um crescimento de 8% face a 2016. A Altri somou 2,67% para 4,62 euros.

Na construção, a Mota-Engil disparou 5,63% no final da sessão para 3,845 euros.

No retalho, a Jerónimo Martins, que apresenta os seus resultados na próxima terça-feira -28 de Fevereiro – terminou o dia com um ganho de 1,53% para 17,62 euros.

Juros sobem na Europa após nomeação de Guindos

As taxas de juro associadas à dívida europeia subiram um pouco por toda a Europa, com os investidores a especularem em torno da política na Zona Euro. A nomeação de Luís de Guindos para vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) abrirá a porta a que o substituto de Mario Draghi, presidente da autoridade, seja de um dos grandes países. Pelo menos esta é a especulação que está a correr no mercado. E isso está a ser interpretado como uma aposta, num futuro próximo, numa política monetária menos expansiva, ou seja, com taxas de juro mais elevadas.

 

Assim, a taxa de juro implícita na dívida portuguesa a 10 anos avançou 2,5 pontos base para 2,046%, enquanto a taxa associada à dívida alemã fechou estável nos 0,735%, o que aumentou o prémio de risco da dívida portuguesa para 131 pontos.

 

Taxas Euribor sobem a seis meses e descem a nove meses

As taxas Euribor mantiveram-se esta terça-feira nos prazos a três e 12 meses, -0,329% e -0,193%, respectivamente. Já a taxa a seis meses, o indexante mais usado em Portugal no crédito à habitação, subiu para -0,273%, enquanto a taxa a nove meses recuou para -0,221%.

 

Dólar com o maior ciclo de ganhos de dois meses

A moeda americana está a recuperar terreno, depois de na semana passada ter tocado em mínimos de dois anos. Esta é a sexta sessão consecutiva de ganhos do dólar contra os congéneres mundiais.

 

Petróleo sem tendência

O petróleo oscilou entre ganhos e perdas, numa altura em que se especula que a produção dos EUA vai ofuscar os cortes realizados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). O secretário de Estado da Energia dos EUA deu uma entrevista onde salientou que se prevê que um crescimento "fenomenal" da produção de petróleo nos EUA.

 

Ouro desce, em contraciclo com o dólar

O ouro, que serve de refúgio para os investidores, regressou às quedas esta terça-feira. O metal precioso desce 1% para 1.331,84 dólares por onça, com os investidores a revelarem menor necessidade de se protegerem, numa altura em que o dólar está a recuperar terreno.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub