Mercados num minuto Fecho dos mercados: BCE contagia Europa. Juros de Itália renovam mínimos e petróleo derrapa

Fecho dos mercados: BCE contagia Europa. Juros de Itália renovam mínimos e petróleo derrapa

As bolsas europeias fecharam o dia a negociar em alta, após a decisão do BCE de estimular a economia da região. Também por isso, os juros de Itália conheceram novos mínimos históricos. O petróleo desvalorizou depois da reunião da OPEP.
Fecho dos mercados: BCE contagia Europa. Juros de Itália renovam mínimos e petróleo derrapa
Reuters
Gonçalo Almeida 12 de setembro de 2019 às 17:25

Os mercados em números

PSI-20 subiu 0,22% para 5.016,81 pontos

Stoxx 600 avançou 0,2% para 390,48 pontos

S&P500 ganha 0,4% para 3.013,37 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 3,4 pontos base para 0,225%

Euro aprecia-se em 0,54% para 1,106 dólares

Petróleo em Londres cai 1,4% para 59,96 dólares por barril

 

Estímulos do BCE dão força à Europa

Hoje, o Banco Central Europeu decidiu baixar a taxa de juro diretora, de -0,40% para -0,50%, de modo a conter o abrandamento económico da região e os baixos níveis de inflação. Mario Draghi ainda avançou com um novo programa de compra de ativos, mas de dimensão contida.

Como reação, as bolsas europeias valorizaram imediatamente, mas foram perdendo força de forma paulatina. No entanto, aguentaram-se em território positivo, com o Stoxx 600, o índice que reúne as 600 maiores cotadas da região, a valorizar 0,2% para 390,48 pontos.

Por cá, o índice PSI-20 encerrou a sessão a ganhar 0,22% para 5.016,81 pontos, com o BCP em destaque.
 
O banco liderado por Miguel Maya valorizou porque, apesar de o corte de taxas anunciado pelo BCE penalizar a sua margem financeira, o banco central anunciou também medidas para apoiar os bancos, como a isenção do pagamento de taxas de juro negativas nos depósitos e alterações nas taxas aplicadas às respetivas linhas de crédito aos bancos, de forma a tornar os empréstimos concedidos à banca mais favoráveis.

Juros de Itália renovam mínimos históricos

Depois da reunião do BCE, os juros da dívida soberana em toda a Zona Euro assumiram uma postura descendente, já que houve uma maior aposta nas obrigações. Essa tendência foi vincada principalmente em Itália, onde as taxas de juro a 10 anos renovaram mínimos históricos nos 0,777%.

Em Portugal, a "yield" com a mesma maturidade caiu 3,4 pontos base para 0,225%

Apesar de grande parte dos países europeus terem visto os seus juros baixarem após o discurso de Mario Draghi, a Bund alemã terminou o dia a subir 4,6 pontos base para os -0,520%.

Euro encerra em alta, apesar de ter tremido após decisão do BCE
No mercado cambial, o euro conseguiu recuperar e fechar o dia a apreciar-se em 0,54% para os 1,1068 dólares. No entanto, a moeda única da Zona Euro tremeu após a decisão do Banco Central Europeu, já que as medidas anunciadas penalizam os investimentos na moeda única.

 

Petróleo derrapa após OPEP adiar cortes

O Brent do Mar do Norte, negociado em Londres e referência para Portugal, fechou o dia a cair 1,4% para os 59,96 dólares por barril. Esta queda surge na sequência da reunião dos membros da OPEP e dos seus aliados, incluindo a Rússia, com a revisão oficial da política de cortes estabelecida no ano anterior a ser adiada para dezembro.  

O setor "Oil & Gas" liderou as perdas setoriais na Europa, ao cair mais de 1%.

Paládio em máximos históricos. Ouro valoriza

O paládio escalou para um máximo histórico, nos 1.619 dólares por onça e, no mesmo sentido, o ouro inverteu das recentes quedas e hoje valorizou 0,46% para os 1.504 dólares por onça. Associado às subidas dos dois metais preciosos está a largada de estímulos económicos sobre a região, por parte do BCE.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI