Mercados num minuto Fecho dos mercados: Petróleo dispara e bitcoin regressa abaixo dos 10 mil dólares

Fecho dos mercados: Petróleo dispara e bitcoin regressa abaixo dos 10 mil dólares

Numa sessão em que as bolsas europeias encerraram sem direcção, destacou-se o petróleo com uma subida de quase 2% devido à descida inesperada das reservas.
Fecho dos mercados: Petróleo dispara e bitcoin regressa abaixo dos 10 mil dólares

Os mercados em números

PSI-20 desceu 0,32% para 5.450,52 pontos

Stoxx 600 recuou 0,20% para 380,34 pontos

 S&P 500 cresce 0,92% para 2.726,25 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 3,1 pontos base para 2,027%

Euro ganha 0,33% para 1,2324 dólares

Petróleo valoriza 1,36% para 66,31 dólares, em Londres

 

Bolsas europeias sem rumo

As principais praças europeias terminaram o dia sem uma tendência definida. O dia nos mercados foi marcado pelas indicações dos bancos centrais. A Reserva Federal dos Estados Unidos, nas minutas do último encontro, mostrou-se mais confiante no crescimento da economia e na subida dos preços, e admitiu que poderá ser apropriado reforçar a normalização da política monetária. A perspectiva de uma subida mais rápida dos juros nos Estados Unidos penalizou as acções e fez os juros da dívida dos Estados Unidos subirem.

 

Por outro lado, o BCE concluiu ser prematuro alterar a comunicação sobre estímulos. Alguns membros do Banco Central Europeu (BCE) pretendiam que a autoridade monetária começasse desde já a alterar a sua comunicação para preparar o mercado para o processo de redução de estímulos, mas a conclusão final apontou para que era prematuro dar já esse passo.

O índice de referência, o Stoxx 600, desceu 0,20%. Em Lisboa, o PSI-20 terminou o dia com uma queda de 0,32%, penalizado nomeadamente pelas acções do BCP, que caíram na casa dos 2%.

 

Euro sobe após actas do BCE

O euro está a ganhar terreno face à moeda norte-americana pela primeira vez em três sessões, reagindo às actas do Banco Central Europeu, que mostram que apesar de a autoridade monetária não ter alterado o conteúdo do seu comunicado após a reunião de 25 de Janeiro, deu indicações que o poderá fazer na primeira metade deste ano. O índice do dólar (que mede a relação da moeda contra as principais divisas mundiais) está também a recuar, na primeira sessão negativa desde 15 de Fevereiro, num dia em que os juros das obrigações dos Estados Unidos estão a recuar. O euro está a subir 0,33% para 1,2324 dólares.

 

Ontem o dólar tinha sido impulsionado pela divulgação das actas da reunião da Reserva Federal, onde a autoridade monetária se mostrou mais confiante no crescimento da economia e na subida dos preços, e admitiu que poderá ser apropriado reforçar a normalização da política monetária.

 

Juros de Portugal regressam aos 2%

Os juros da dívida portuguesa a 10 anos fecharam ontem abaixo dos 2%, mas o alívio durou pouco. A yield das obrigações do Tesouro agravaram-se 3,1 pontos base para 2,027% na sessão de hoje, sendo que como os juros das bunds com a mesma maturidade estão em queda, o prémio de risco da dívida portuguesa aumentou para 132 pontos base.

 

Taxas Euribor sobem a 3 e 6 meses

As taxas interbancárias subiram hoje a três e seis meses e mantiveram-se a nove e 12 meses em relação a quarta-feira. A Euribor a três meses subiu 0,1 pontos base para -0,328%, contra o actual mínimo de sempre de -0,332%. A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 6 de Novembro de 2015, também subiu 0,1 pontos base para -0,270%. O mínimo histórico foi fixado a 31 de Janeiro em -0,279%.

 

Descida das reservas impulsiona petróleo

O petróleo está hoje a negociar em forte alta, com uma valorização superior a 1% em Londres e Nova Iorque. O WTI valoriza 1,72% para 62,74 dólares e o Brent ganha 1,36% para 66,31 dólares.

 

A matéria-prima estava a negociar em queda durante a manhã, mas inverteu para terreno positivo depois de ter sido anunciado que as reservas de petróleo nos Estados Unidos desceram de forma inesperada. Os stocks baixaram em 1,62 milhões de barris na semana passada, o que corresponde à maior queda em cinco semanas, o que alivia os receios em torno da produção recorde da matéria-prima nos Estados Unidos. Os analistas esperavam um aumento nos inventários de 2,9 milhões de barris.

 

Bitcoin abaixo dos 10 mil dólares 

A negociação das criptomoedas continua a ser marcada pela forte volatilidade, sendo que depois de um período de recuperação a bitcoin está a negociar de novo abaixo da fasquia dos 10 mil dólares. A moeda digital desvaloriza 3,4% para 9.936 dólares, acumulando já uma perda de 49% face ao máximo histórico que fixou a 18 de Dezembro nos 19.511 dólares. As restantes criptomoedas estão também em queda (a ripple desce 6,5%).




pub