Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fecho dos mercados: Bolsas europeias recuam. Juros e euro sobem

As bolsas europeias encerraram a sessão no "vermelho", penalizadas pela queda dos produtores de matérias-primas. O petróleo transaccionou abaixo dos 35 dólares, em Nova Iorque, durante a sessão. Os juros sobem na Zona Euro.

Bloomberg
Vera Ramalhete veraramalhete@negocios.pt 14 de Dezembro de 2015 às 17:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os mercados em números

PSI-20 caiu 1,24% para 5.022,98 pontos

Stoxx 600 perdeu 1,76% para 349,54 pontos

S&P 500 desvaloriza 0,82% para 1995,91 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal avança 8,0 pontos base para 2,531%

Euro avança 0,40% para 1,1030 dólares

Petróleo cai 0,08% para 37,90 dólares por barril, em Londres

 

Bolsas europeias recuam pela quinta sessão

As principais bolsas europeias encerraram em queda. O Stoxx 600 recuou 1,76% para 349,54 pontos, pela quinta sessão consecutiva. O sector energético e as mineiras lideraram as perdas, reflectindo a queda dos preços das matérias-primas. Entre as principais praças europeias, a bolsa italiana foi a que mais recuou. Caiu 2,42%, seguida pelo espanhol Ibex-35, que desvalorizou 2,10%.

 

A bolsa de Lisboa registou a menor queda. Recuou 1,24% para 5.022,98 pontos, pressionada principalmente pela Jerónimo Martins. A retalhista recuou 2,50% para 11,495 euros por acção. O sector energético também penalizou o índice de referência nacional: a Galp fechou a perder 1,94% para 9,55 euros e a EDP recuou 1,72% para 3,028 euros, pressionando o PSI-20. A marcar a sessão esteve ainda a queda do Banif, que afundou um máximo de 56,36% para os 0,0006 euros, fixando um novo mínimo histórico, devido à especulação (desmentida pelo Governo e pelo banco) em torno da intervenção no banco. Fecharam a sessão a desvalorizar 41,82% para 0,0008 euros.

 

Juros sobem na Europa

Os juros da dívida portuguesa avançaram, tal como na maioria dos países da Zona Euro. A "yield" das obrigações nacionais a 10 anos, considerada a maturidade de referência, avançou 8,0 pontos base para 2,531%, numa sessão marcada pela especulação em torno de uma intervenção no Banif. Os juros das obrigações a 10 anos em Espanha avançaram 10,4 pontos para 1,728 pontos. Os juros das "bunds" alemãs subiram apenas 3,4 pontos para 0,574%, elevando o prémio de risco pago pelos investidores para apostar na dívida alemã em detrimento da dívida portuguesa para 195,6 pontos.

  

Euribor a três meses cai para novo mínimo histórico

As taxas Euribor a três, seis, nove e 12 meses recuaram esta segunda-feira, face à sessão anterior. A Euribor a três meses caiu de -0,128%, o anterior mínimo histórico, para -0,129%, o valor mais baixo de sempre. A taxa a seis meses recuou de -0,038% para -0,039%, ainda assim acima do actual mínimo histórico de -0,051%. A Euribor a 9 meses, que fixou valores negativos pela primeira vez a 27 de Novembro, recuou de 0,009% para 0,006%. A 12 meses a taxa desceu de 0,064% para 0,060%.

 

Euro valoriza

O euro está a valorizar 0,40% para 1,1030 dólares, apesar dos analistas preverem que a Reserva Federal (Fed) dos EUA irá anunciar uma subida dos juros no final da reunião desta semana, o que impulsiona o dólar. Além disso, Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, admitiu esta segunda-feira que poderia reforçar o programa de estímulos, se for necessário. Ainda assim, o euro valorizou um máximo de 0,57% para 1,1049 dólares durante o dia, pela segunda sessão consecutiva.

Petróleo recupera de mínimos

O petróleo está a oscilar entre ganhos e perdas nos mercados internacionais. Depois de ter chegado a transaccionar abaixo dos 35 dólares em Nova Iorque, durante a sessão, pressionado pela confirmação de que o Irão irá aumentar as exportações da matéria-prima, apesar da queda dos preços,o West Texas Intermediate (WTI) está a subir 1,38% para 36,11 dólares. Chegou a tocar nos 34,53 dólares por barril, pela primeira vez desde 18 de Fevereiro de 2009. O Brent do Mar do Norte, negociado em Londres, está a desvalorizar ligeiros 0,08% para 37,90 dólares, pela sétima sessão consecutiva. Recuou até aos 36,33 dólares durante a sessão, o valor mais baixo desde 26 de Dezembro de 2008.

 

Ouro cai antes da Fed

O ouro está a desvalorizar 0,62% para 1068,11 dólares por onça, na semana em que a Reserva Federal dos EUA irá avaliar a revisão da taxa de juro de referência. Os investidores antecipam uma subida dos juros pela Fed, que impulsiona o dólar e torna o investimento no metal precioso menos atractivo.

A prata também está a recuar 1,17% para 13,758 dólares, tendo chegado a transaccionar nos 13,7063 dólares por onça durante a sessão, um mínimo de seis anos.

 

Destaques do dia

 

Banif: Bruxelas está em contacto "próximo e construtivo" com Portugal. Bruxelas "está em contacto próximo e construtivo com as autoridades portuguesas" sobre o Banif. Qualquer decisão no banco "assegurará a total protecção dos depósitos garantidos", adiantou fonte oficial da Comissão Europeia ao Negócios.

 

CMVM não vê motivos para suspender acções do Banif. Banif e Ministério das Finanças desmentiram a notícia de que estaria a ser preparada a resolução do banco. Esclarecimentos evitaram suspensão das acções na bolsa nacional.

 

Banif afunda 27% e atinge novo mínimo histórico. As acções do Banif estão a reagir em forte queda às notícias sobre a possibilidade de o banco ser intervencionado, apesar da instituição liderada por Jorge Tomé ter negado informações nesse sentido.

 

Petróleo abaixo dos 35 dólares pela primeira vez desde 2009. Os preços do petróleo continuam a cair nos mercados internacionais. Esta segunda-feira, o West Texas Intermediate já negociou abaixo dos 35 dólares por barril, algo que não acontecia desde Fevereiro de 2009.

 

Draghi admite voltar a reforçar estímulos caso seja necessário. O presidente do BCE está confiante que as medidas recentemente anunciadas serão suficientes para atingir a meta da inflação de 2%. Contudo, a autoridade monetária está preparada para voltar a agir, se for necessário.

 

O que vai acontecer amanhã

 

Inflação nos EUA e Reino Unido. Será conhecido o índice de preços no consumidor, nos EUA, em Novembro, na sessão em que começa a reunião de dois dias da Reserva Federal. As estimativas recolhidas pela Bloomberg apontam para que tenha aumentado de 0,2% para 0,5%. O Reino Unido também divulga a taxa de inflação em Novembro.

 

Estatísticas do INE. O Instituto Nacional de Estatística (INE) publica dados da actividade turística, relativos a Outubro.

 

Confiança dos investidores alemães. O índice ZEW, que mede a confiança dos investidores e empresários, relativo a Dezembro, é publicado esta terça-feira. Os economistas consultados pela Bloomberg estimam uma queda ligeira de 54,4 para 54,1 pontos.

Ver comentários
Saber mais fecho dos mercados bolsas euro dólar petróleo juros
Outras Notícias