Mercados num minuto Fecho dos mercados: Petróleo inverte quedas e dá força às bolsas

Fecho dos mercados: Petróleo inverte quedas e dá força às bolsas

A recuperação dos títulos do sector da energia sustentou o fecho positivo nas principais praças europeias, depois dos preços do petróleo terem invertido as descidas. Os juros da República portuguesa voltaram a agravar-se em dia de duplo leilão de bilhetes do Tesouro.
Fecho dos mercados: Petróleo inverte quedas e dá força às bolsas
Bloomberg
Patrícia Abreu 20 de abril de 2016 às 17:21

Os mercados em números

PSI-20 subiu 1,68% para 5.071,78 pontos

Stoxx 600 valorizou 0,43% para 350,74 pontos

S&P 500 avança 0,23% para 2.105,56 pontos

Juros da dívida portuguesa a 10 anos subiram 1,4 pontos base para 3,141%

Euro desce 0,24% para 1,1330 dólares

Petróleo sobe 0,79% para 44,38 dólares por barril, em Nova Iorque

Energia sustenta ganhos na Europa

As bolsas europeias terminaram a sessão a valorizar, suportadas pela recuperação dos preços do petróleo, que impulsionou os títulos do sector. O europeu Stoxx 600 ganhou 0,43%, num dia em que as petrolíferas e as mineiras se destacaram com as subidas mais expressivas. Estas valorizações ocorrem num momento em que os investidores aguardam as palavras do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, após a reunião que decorre esta quinta-feira, 21 de Abril.

A bolsa portuguesa registou uma das subidas mais expressivas na Europa. O PSI-20 somou 1,68%, numa sessão em que o BCP esteve em destaque com um ganho de 11,18% para 0,0378 euros. Os accionistas do banco votam esta quinta-feira em assembleia geral a fusão de acções da instituição, uma operação que deverá dar maior visibilidade e estabilidade aos títulos.

Juros interrompem ciclo de descidas

A taxa de juro da dívida esteve esta quarta-feira em alta, interrompendo um ciclo de três dias em queda, isto apesar de o Estado ter conseguido colocar novamente dívida de curto prazo com taxas negativas. A "yield" a dez anos avançou 1,4 pontos base para 3,141%.

Já as "bunds" alemãs desceram 1,6 pontos para 0,153%, aumentando o prémio de risco da dívida portuguesa em relação à germânica. O "spread" aumentou para 298,79 pontos.

Euribor a três meses sobem antes de BCE

A Euribor a três meses subiu esta quarta-feira, 20 de Abril, contrariando a tendência de queda registada pelas taxas a seis e nove meses. O indexante a três meses avançou para -0,249%, acima do mínimo histórico de -0,251% registado este mês. Já a Euribor a seis meses caiu para -0,141%, enquanto a taxa a nove meses desceu para -0,074%, antes da reunião de política monetária do Banco Central Europeu que decorre amanhã.

Euro perde terreno

A moeda única europeia segue a ceder face à divisa norte-americana. O euro desvaloriza 0,24% para 1,330 dólares, um dia antes da reunião de política monetária do Banco Central Europeu. Depois de ter anunciado um programa de estímulos histórico, que prevê a possibilidade de comprar dívida de empresas, e de ter baixado todas as taxas para novos mínimos, os economistas acreditam que a instituição liderada por Mario Draghi não irá anunciar novas medidas extraordinárias. Ainda assim, os juros deverão manter-se em mínimos históricos por um longo período.

Petróleo inverte quedas após descida de produção nos Estados Unidos

Os preços do petróleo inverteram as quedas nos mercados internacionais, depois de ter sido reportado que a produção de crude nos Estados Unidos caiu pela sexta semana consecutiva. O WTI, negociado em Nova Iorque, sobe 0,66% para 41,35 dólares por barril, depois de ter chegado a desvalorizar mais de 3% na sessão. Já o Brent, em Londres, segue a valorizar 0,79% para 44,38 dólares por barril, depois de ter sido divulgado que a produção da matéria-prima cedeu 24 mil barris de petróleo por dia para 8,95 milhões na semana terminada a 15 de Abril, o valor mais baixo desde Outubro de 2014.

Prata em máximos de quase um ano

Os preços da prata estão a negociar no valor mais elevado desde Maio, depois de terem entrado em mercado touro na última sessão. O metal sobe 0,7% para 17,085 dólares por onça, depois de já ter estado a negociar nos 17,255 dólares, o valor mais elevado desde 22 de Maio. A prata sobe, desde ontem, mais de 20% desde os mínimos de Dezembro, sustentada pela forte procura por fundos ETF que investem no metal.

Destaques do dia

Portugal volta a emitir dívida com juros negativos. O Estado colocou mais dívida de curto prazo que o previsto no leilão desta quarta-feira. Nos títulos a três meses a taxa foi negativa.

Governo prevê menos crescimento e défice em 2017. Mário Centeno conta com a flexibilidade do Pacto de Estabilidade e Crescimento para não ter de apertar mais o cinto no próximo ano. O Governo trabalha com uma meta de défice à volta de 1,4% para 2017 e assume que economia estagna face a 2016. Há um ano, o PS previa 3,1% de crescimento e défice em 2,5%.

Desblindar estatutos na banca só com dois terços dos votos. A desblindagem dos estatutos na banca vai ser facilitada a partir de 1 de Julho. Ainda assim, continua a ser obrigatória a aprovação por maioria qualificada, conforme está no Código das Sociedades Comerciais.

Mota-Engil baixa dividendo para 5 cêntimos. A construtora mantém o rácio de payout entre 50% e 75% dos lucros, os quais caíram no ano passado 62%, levando a uma redução do dividendo para menos de metade do valor pago em 2015.

Saiba como vai funcionar o novo produto de poupança do Estado. O Estado vai lançar, seis meses depois do anúncio da sua criação, uma emissão de obrigações para o retalho, as OTRV. Saiba como vão funcionar estes novos títulos de dívida pública que poderá subscrever a partir de 26 de Abril.

O que vai acontecer amanhã

Cimeira do petróleo. Realiza-se 17ª Cimeira Internacional do Petróleo, que contará com as presenças dos presidentes-executivos da Total e da Saudi Arabian Oi Company, mas também com o secretário-geral da OPEP, Abdalla el-Badri.

Resultados nos Estados Unidos. Empresas como a BNY Mellon, a Alphabet, a Microsoft e a Visa divulgam os resultados do primeiro trimestre de 2016.

Reunião do BCE. Decorre da reunião de política monetária do Banco Central Europeu.

Dados do Banco de Portugal. O regulador do sector bancário português divulga o seu boletim estatístico.

Indicadores na Zona Euro. É divulgado o indicador de confiança dos consumidores, relativo a Abril [anterior: -9,7 pontos ; estimativa: -9,4 pontos].




pub

Marketing Automation certified by E-GOI