Bolsa Fortes subidas do BCP e EDP travam perdas em Lisboa

Fortes subidas do BCP e EDP travam perdas em Lisboa

Num dia de quedas fortes nas bolsas europeias, o PSI-20 caiu apenas de forma ligeira, tendo sido pressionado pelas acções da Jerónimo Martins e Nos. O BCP e a EDP registaram ganhos acentuados.
Fortes subidas do BCP e EDP travam perdas em Lisboa
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 02 de março de 2018 às 16:47

A bolsa nacional encerrou a semana no vermelho, mas a registar quedas bem menos intensas do que nas restantes praças europeias, uma vez que três das cotadas com maior peso no PSI-20 fecharam em terreno positivo.

 

O índice caiu 0,17% para 5.367,16 pontos, com 14 cotadas em queda e quatro em alta. As principais bolsas europeias fecharam generalizadamente em baixa, pela quarta sessão consecutiva e a marcarem a pior queda semanal das últimas três semanas, a seguirem a tendência já evidenciada no fecho de ontem do outro lado do Atlântico. Em causa está o anúncio do presidente norte-americano, Donald Trump, relativo à imposição de tarifas alfandegárias sobre o aço e o alumínio, o que gerou uma onda de críticas em todo o mundo, suscitando receios de uma guerra comercial.

 

Este novo foco de tensão levou à prudência dos investidores e um dos sectores mais afectados foi precisamente o destes metais, com cotadas como a ArcelorMittal e Acerinox a afundarem em bolsa. As 19 categorias sectoriais fecharam em queda na Europa, sendo que nove delas perderam mais de 2%.

JM e Nos anulam ganhos do BCP e EDP

 

A Jerónimo Martins foi a cotada que mais pressionou, com uma queda de 1,53% para 15,165 euros, tendo ao longo da sessão tocado nos 14,985 euros, o que representa o valor mais baixo desde Janeiro de 2017. A empresa revelou na última quarta-feira que os seus lucros no ano passado ascenderam a 385 milhões de euros, o que corresponde a uma quebra de 35%, levando os títulos a cederem perto de 10% na última sessão.

A Sonae seguiu a tendência da rival do retalho em Portugal, fechando a sessão com uma queda de 4,84% para 1,141 euros.

O dia foi também de quedas fortes para a Nos, que recuou 3,73% para 4,804 euros, tendo fixado um mínimo de quase um ano (meados de Março).

 

As quedas fortes destas três cotadas foram suficientes para anular o bom desempenho das três cotadas que mais pesam no PSI-20: BCP, EDP e Galp Energia.

 

Destacou-se o BCP, que valorizou 4,49% para 31,21 cêntimos, depois de ontem ter sido anunciado que o banco vai regressar ao principal índice europeu, o Stoxx 600, já no próximo dia 19 de Março.

 

Já a EDP brilhou depois de ter apresentado os resultados de 2017, que de acordo com os analistas do BPI ficaram "ligeiramente acima do esperado" em termos ajustados. As acções fecharam o dia a ganhar 2,57% para 2,789 euros, tendo acentuado a tendência positiva após a conferência da empresa com analistas, onde foi transmitida uma mensagem positiva, nomeadamente ao nível do pagamento de dividendos e de metas de resultados. António Mexia diz que a empresa não vai reduzir o dividendo e abre a porta ao seu aumento, sendo que o gestor garante estar "confortável" com os consensos dos analistas em relação aos lucros estimados para 2018.

 

A Galp Energia também fechou em terreno positivo, com uma valorização de 0,69% para 14,665 euros.


(Notícia actualizada às 16:59 com mais informação)