Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Goldman: Quem falhou o "rally" de janeiro vai ter ganhos limitados no ano  

"O 'rally’ que aguardávamos aconteceu de forma rápida, pelo que a partir daqui prevemos apenas ganhos modestos nas ações", refere o Goldman Sachs.

Bolsas, bolsa, Wall Street,
Reuters
Bloomberg 05 de Fevereiro de 2019 às 15:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os investidores que não tiraram partido do "rally" de janeiro nos mercados acionistas falharam aquele que será o período com melhor retorno em 2019, refere o Goldman Sachs.
 

"O desempenho no início do ano – quando os mercados ajustaram depois de terem sobrevalorizado um abrandamento da economia – quase desapareceu", refere a equipa de analistas do Goldman Sachs, liderada por Sharon Bell.

 

"O "rally’ que aguardávamos aconteceu de forma rápida, pelo que a partir daqui prevemos apenas ganhos modestos nas ações", refere o relatório do banco de investimento norte-americano.

 

As ações mundiais registaram uma forte valorização em janeiro, recuperando do brutal "sell off" do quarto trimestre, devido à postura mais branda da Reserva Federal e otimismo com um final feliz nas negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China. Face aos mínimos de dezembro as ações norte-americanas subiram 16% e as bolsas europeias acumulam ganhos de 9% no mesmo período.

 

Apesar desta impressionante recuperação, muitos investidores preferem continuar à margem devido ao elevado número de questões em aberto, sobretudo relacionadas com o comércio e a evolução da economia global, bem como ao fraco consenso sobre a direção do mercado. Tal tem resultado num volume de negociação mais fraco.

 

Ainda que os economistas do Goldman esperem que o crescimento económico nos Estados Unidos e na Europa estabilize este ano, assinalam que não vai regressar ao ritmo anterior, o que suporta a continuação de um mercado com reduzida liquidez e amplitudes de variação mais limitadas.

 

Os analistas do Goldman consideram que este regime de trading "estreito e estável" é sobretudo verdade para a Europa, onde o crescimento dos resultados líquidos deverá ser limitado. O banco estima que o índice Stoxx600 valorize cerca de 4% nos próximos 12 meses.

 

Dado que o ambiente nos mercados não é muito favorável na Europa e nos EUA, em termos de trading e desenvolvimentos macro, "não esperamos ‘drivers’ muito fortes em termos de fatores, estilos e setores", diz o Goldman.

 

Ainda assim o banco recomenda cotadas com balanços fortes, que possam registar um bom comportamento em alturas de retornos baixos. O Goldman salienta que chegou ao fim o período de melhor desempenho das cotadas de crescimento, mas também não espera retornos elevados nas empresas que se destacam pelo pagamento de dividendos elevados. 

Ver comentários
Saber mais Goldman Sachs Sharon Bell Reserva Federal Estados Unidos Stoxx600 bolsas
Mais lidas
Outras Notícias