Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Goldman Sachs aposta em corte de juros da Fed já hoje

A Goldman Sachs acredita que a Reserva Federal (Fed) dos EUA poderá vir a anunciar um novo corte de juros ainda hoje, isto depois dos dados revelados no final da semana passada que mostraram uma queda do emprego, que foi a maior registada nos últimos cinc

Paulo Moutinho 10 de Março de 2008 às 12:29
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Goldman Sachs acredita que a Reserva Federal (Fed) dos EUA poderá vir a anunciar um novo corte de juros ainda hoje, isto depois dos dados revelados no final da semana passada que mostraram uma queda do emprego, que foi a maior registada nos últimos cinco anos.

O mercado acredita que a autoridade liderada por Ben Bernanke será forçada a reduzir novamente a taxa de juro do país, numa tentativa de evitar um cenário de recessão na maior economia do mundo.

A Fed já reduziu os juros em cinco ocasiões, desde Setembro, baixando a taxa directora dos 5,25% para os actuais 3%. A expectativa é de que a Fed reduza em mais 100 pontos base o preço do dinheiro, colocando a taxa de referência nos 2%.

A Goldman Sachs, numa nota emitida hoje, citada pela Bloomberg, afirmava que Ben Bernanke poderá agir mais rápido do que o mercado espera e anunciar já hoje um novo corte no preço do dinheiro.

A perspectiva do banco de investimento assenta nos dados revelados no final da semana passada. A economia norte-americana perdeu inesperadamente empregos em Fevereiro, naquela que foi a maior queda desde Março de 2003. A taxa de desemprego caiu para 4,8%, quando os economistas esperavam uma subida para os 5% devido à criação de postos.

O cenário de corte de juros de emergência está a animar os mercados norte-americanos. Os futuros do Nasdaq e do Dow Jones seguem com ganhos de cerca de 0,3%, num dia em que a generalidade das praças apresenta quedas próximas de 1%.

Além dos mercados accionistas, a projecção da Goldman Sachs está também a animar a negociação cambial. O euro voltou hoje a aproximar-se do valor mais elevado de sempre e seguia a valorizar 0,05% para 1,5362 dólares.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias