Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

IGCP avança com segundo leilão de dívida a 10 anos este mês

Esta é já a segunda vez em Fevereiro que Portugal emite dívida a 10 anos. Desta vez, o IGCP pretende angariar entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

Miguel Baltazar/Negócios
André Tanque Jesus andrejesus@negocios.pt 20 de Fevereiro de 2015 às 17:12
  • Partilhar artigo
  • 15
  • ...

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) vai realizar um leilão de obrigações do Tesouro (OT) na próxima quarta-feira, 25 de Fevereiro. É já a segunda vez este mês que o instituto liderado por Cristina Casalinho procura reforçar esta linha de OT, numa operação em que pretende angariar no mercado entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

 

"O IGCP vai realizar no próximo dia 25 de Fevereiro, um leilão da OT com maturidade em Outubro de 2025 (OT 2.875% 15Out2025)", pode ler-se no comunicado emitido pelo instituto esta sexta-feira. Com esta operação, o IGCP pretende obter entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

 

Esta é já a segunda vez este mês que Portugal realiza um reforço nesta linha de OT a 10 anos. A primeira foi a 11 de Fevereiro, com o instituto a colocar 1.250 milhões de euros. A taxa de juro média ficou-se então pelos 2,4914%, o valor mais baixo de sempre.

 

Num mês em que o IGCP foi também ao mercado para emitir 1.250 milhões de euros em bilhetes do Tesouro, esta operação surge depois de, em Janeiro, Portugal ter angariado 5,5 mil milhões de euros em OT. Em causa estiveram duas emissões sindicadas de títulos a 10 e 30 anos.

 

Mas ainda em Janeiro foram realizados dois leilões de BT a seis e 12 meses, ascendendo a 1.240 milhões de euros. Feitas as contas, entre bilhetes e obrigações, com esta operação o IGCP deverá ultrapassar os 10 mil milhões de euros em dívida angariada no mercado este ano. 

 

Um valor elevado face à dimensão do mercado de dívida nacional, mas que surge numa altura em que Portugal procura antecipar o pagamento dos empréstimos ao FMI. Visando uma poupança através de juros mais baixos, era já antecipado que o país teria aumentar o ritmo de emissão de dívida, de modo a alcançar esse objectivo.

 

(Notícia em actualizada às 17h33, com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública IGCP Cristina Casalinho economia negócios e finanças macroeconomia mercado de dívida
Outras Notícias