Análise Técnica IMF – Libra em mínimos de duas semanas após discurso de May

IMF – Libra em mínimos de duas semanas após discurso de May

Desfecho da reunião com líderes da UE e discurso de Theresa May fez libra recuar; Eur/Usd testa os $1.18 e negoceia em máximos de três meses; Comentários da Arábia Saudita impulsionam o Crude; Ouro em consolidação em semana de imposição de tarifas por parte de EUA e China.
IMF – Libra em mínimos de duas semanas após discurso de May
Desfecho da reunião com líderes da UE e discurso de Theresa May fez libra recuar

A primeira-ministra britânica afirmou na passada sexta-feira que a UE terá de surgir com uma alternativa às suas propostas para o Brexit, tendo também indicado que as conversações chegaram a um impasse após os líderes europeus terem-nas rejeitado sem apresentarem uma explicação para tal. May afirmou que "não é aceitável rejeitar simplesmente as propostas do outro lado sem uma explicação detalhada e sem contrapropostas". A líder britânica defendeu que não pode concordar com um acordo que dá um tratamento diferenciado à Irlanda do Norte face ao resto do Reino Unido. A UE insiste que não aceita uma fronteira "rígida" entre ambas as Irlandas, pretendendo que a Irlanda do Norte se mantenha na união aduaneira do bloco ou então que seja estabelecida uma fronteira no Mar da Irlanda caso não se consiga encontrar outra alternativa. A libra, que já perdia cerca de 75 pips desde o início do dia, acabou por recuar adicionalmente outros cerca de 50 pips, atingindo máximos de duas semanas nos £0.8987.

O Eur/Gbp seguiu em baixa durante grande parte da semana, após quebrar o limite inferior do canal ascendente de curto prazo. O par atingiu mínimos de sete semanas nos £0.8859. Contudo, o câmbio ressaltou na linha de tendência de médio prazo e na zona suporte dos £0.8840-£0.8855, coincidente com a média móvel de 200 dias. O MACD parece dar sinais de uma inversão da tendência negativa com a aproximação de ambas as médias móveis. Caso isso suceda, o par poderá efetuar um teste à resistência dos £0.9030.


Eur/Usd testa os $1.18 e negoceia em máximos de três meses.

A China irá impor tarifas em cerca de $60 mil milhões de mercadorias dos EUA em retaliação face à última ronda de tarifas em $200 mil milhões sobre produtos chineses. Previa-se uma resposta, mas foi com um impacto menor do que se esperava. Na sexta-feira, o Eur/Usd atingiu os $1.18, após uma quebra de uma resistência relevante, apesar de os dados macroeconómicos nos Estados Unidos terem sido positivos e na Zona Euro terem desapontado.

Tecnicamente, a formação de head and shoulders invertida foi comprovada com a quebra da neckline em torno dos $1.1720. Adicionalmente, o par já vinha a ver o seu preço ser comprimido com a subida dos mínimos relativos e os vários testes aos $1.1720. O par mantém a perspetiva de subida à medida que testa o nível de retração 38.2% de fibonacci, podendo vir a atingir os $1.19 caso quebre esta resistência.


Comentários da Arábia Saudita impulsionam o Crude

Os comentários da Arábia Saudita sobre o facto de estar satisfeita como os preços atuais no mercado e que se sente confortável com o crude no $80, deu ao mercado a perspetiva de que a produção não irá aumentar, levando a uma subida da matéria-prima a meio da última semana. A questão do Irão mantém-se como suporte. No entanto, os ganhos têm vindo a ser condicionados pelos receios de uma quebra no consumo asiático e pelos comentários de Trump relativamente à postura da Arábia Saudita.

Tecnicamente, o MACD no gráfico diário continua a apontar para uma subida do Crude, devendo o mesmo seguir o canal de tendência ascendente de curto-prazo e testar a resistência dos $72.50.

Ouro em consolidação em semana de imposição de tarifas por parte de EUA e China

A cotação do ouro consolidou ao longo da última semana entre os $1191 e os $1214, tendo recuado de forma mais acentuada na última sexta-feira. O fortalecimento do dólar, fruto das preocupações constantes relativamente a um escalar das tensões comerciais entre EUA e China, pressionou o preço da commodity em baixa, numa semana marcada pela imposição mútua de tarifas por parte de ambos os países.

A nível técnico, o ouro testou por várias vezes os limites do intervalo de consolidação. Contudo, o MACD aponta para uma valorização do metal precioso pelo que poderá ser possível observarmos um novo teste à média móvel de 200 dias e aos $1214, caso a primeira barreira seja derrubada.

As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.





pub

Marketing Automation certified by E-GOI