Bolsa Jerónimo Martins afunda mais de 8% para mínimos de Dezembro

Jerónimo Martins afunda mais de 8% para mínimos de Dezembro

Os títulos da retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos acentuaram a tendência de queda e já perdem mais de 8%, tocando no valor mais baixo desde 21 de Dezembro. A empresa reportou ontem ao mercado uma queda de 35% dos seus lucros anuais em 2017.
Jerónimo Martins afunda mais de 8% para mínimos de Dezembro

No ano passado, a retalhista Jerónimo Martins teve lucros de 385 milhões de euros, o que representa uma queda de 35% face ao ano anterior. A empresa comunicou também que pretende aumentar dividendo e entregar todos os lucros aos accionistas. Os investidores estão a reagir a estas novidades, dando sinais de que não ficaram muito satisfeitos com as contas apresentadas.

Os títulos da retalhista na bolsa nacional deslizam 8,62% para 15,59 euros, negociando assim no valor mais baixo desde 21 de Dezembro de 2017. Já trocaram de mãos mais de um milhão de acções, superando já o número de acções negociadas em média nos últimos seis meses (cerca de 731 mil).

A queda abrupta desta sessão levou a Jerónimo a terreno negativo no acumulado do ano em quase 3%, reduzindo a capitalização bolsista da sociedade liderada por Pedro Soares dos Santos para menos de 10 mil milhões de euros.

Queda nos resultados anuais

O lucro da Jerónimo Martins recuou 35% para se cifrar em 385 milhões de euros no ano passado. Contudo, excluindo o impacto da venda da Monterroio, em 2016, os resultados líquidos teriam aumentado 6,7%, segundo comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As vendas consolidadas da sociedade presidida por Pedro Soares dos Santos cresceram 11,3% em 2017, em relação ao ano anterior, totalizando 16,3 mil milhões de euros. A Polónia, com a insígnia Biedronka, representa 68% destes proveitos. Os custos operacionais somaram 12,7% e totalizaram 2.536 milhões. Já o EBITDA (resultado antes de juros, impostos, apreciações e amortizações) subiu 7% para 922 milhões, ou 4,7% se o câmbio for constante.

Olhando apenas para os últimos três meses do ano passado, o resultado líquido atribuível aos accionistas da empresa subiu 9,2% para 100 milhões de euros. O EBITDA aumentou 7,6% no quarto trimestre face ao período igual de 2016 para 253 milhões de euros.

Os analistas do BPI, referindo-se apenas aos resultados do quarto trimestre, consideram que o EBITDA "esteve em linha com a nossa estimativa [bem como] com o consenso". Em relação à geração de cash-flow, os analistas, numa nota a que o Negócios teve acesso, assumiram "que teve uma evolução pior do que o esperado" algo que advém do facto de a retalhista ter pago mais impostos do que o esperado.

Relativamente ao impacto dos números nas estimativas do BPI, os analistas sustentam que "vão afinar os números mas não prevemos um grande impacto nas nossas estimativas e avaliação".

"Estamos amplamente em linha com as principais perspectivas da empresa, com excepção para o capex. Isto ficou acima das nossas expectativas (como habitual) e assumimos que o capex vai alcançar os 580 milhões de euros em 2018", pode ler-se na nota do banco, a que o Negócios teve acesso.

Ontem, em comunicado à CMVM, a empresa detalhou que espera investir entre 700 e 750 milhões de euros em 2018, mantendo o nível de investimento que esteve em vigor no ano passado.

"O programa de investimento do grupo deverá manter-se nos níveis de 2017 e atingir um valor de 700-750 milhões de euros, incluindo, para além dos projectos de expansão de todas as insígnias, a manutenção do forte plano de remodelações da Biedronka e do Pingo Doce", disse a empresa. Em 2017, o capex – que equivale ao investimento operacional feito pela empresa – fixou-se em 724 milhões, acima dos 482 milhões do ano anterior.

(Notícia actualizada às 11:33 com actualização das cotações)




pub