Taxas de juro Juros têm a maior subida desde Fevereiro e superam 3%

Juros têm a maior subida desde Fevereiro e superam 3%

A “yield” das obrigações do Tesouro a dez anos aumenta 21,3 pontos base para 3,149%, nas vésperas de uma emissão sindicada de títulos a seis e a 30 anos.
Juros têm a maior subida desde Fevereiro e superam 3%
Rui Barroso 05 de abril de 2016 às 17:49

As taxas das obrigações portuguesas voltaram a estar sob pressão. No prazo a dez anos, o valor exigido pelos investidores aumentou 21,3 pontos base para 3,149% esta terça-feira. Foi a maior subida diária desde 11 de Fevereiro e levou a taxa das obrigações nacionais para o valor mais elevado desde 9 de Março. E o prémio de risco voltou a superar os 300 pontos base.

A subida das taxas ocorre no dia em que foi noticiado que o Estado iria recorrer ao mercado para fazer uma emissão sindicada de obrigações a seis e a 30 anos e após ser conhecido que um grupo de 14 grandes investidores, entre os quais a BlackRock e a Pimco, colocou processos contra o Banco de Portugal devido à transferência, decidida no final do ano passado, de cinco séries de obrigações do Novo Banco para o BES.

"Além do ruído em torno do Novo Banco, o anúncio de uma emissão sindicada também terá provavelmente provocado o aumento do prémio de risco", observou David Schnautz, estratego de dívida do Commerzbank. O prémio de risco da dívida portuguesa também tem uma subida significativa. Aumenta 24,5 pontos base para 305 pontos base, o nível mais elevado desde final de Fevereiro.

Apesar das taxas italiana e espanhola também transaccionarem me alta, registam subidas bem inferiores às verificadas na dívida portuguesa. No caso das obrigações italianas a dez anos, a "yield" aumenta 3,3 pontos base para 1,271%. Já a taxa exigida pelos investidores para deterem títulos espanhóis sobe 3,1 pontos base para 1,493%. 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI