Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Lisbon Brokers reforça recomendação do BCP para “forte compra”

Depois da Caixa Geral de Depósitos ter divulgados os resultados anuais, a Lisbon Brokers voltou a fazer um estudo sobre a banca portuguesa. O Banco Comercial Português é o “top pick”, com uma recomendação de “forte compra” e um preço-alvo de 3,30 euros.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 28 de Fevereiro de 2007 às 16:58
  • Partilhar artigo
  • ...

Depois da Caixa Geral de Depósitos ter divulgados os resultados anuais, a Lisbon Brokers voltou a fazer um estudo sobre a banca portuguesa. O Banco Comercial Português é o "top pick", com uma recomendação de "forte compra" e um preço-alvo de 3,30 euros.

A Lisbon Brokers tem uma recomendação de "overweight" para a banca nacional, sendo a apresentação de resultados da CGD o motivo para a realização deste estudo.

No ano passado, precisamente nesta altura, a Lisbon Brokers realizou também um estudo sobre a banca portuguesa, depois da instituição financeira estatal ter apresentado resultados. Esse "research" está envolto em polémica, pois a CMVM suspeitou de práticas de manipulação de mercado, uma vez que este foi efectuado dias antes da OPA sobre o BPI e a corretora intermediou vários lotes elevados de acções do banco de Fernando Ulrich. O caso, que alegadamente envolve Patrick Monteiro de Barros, está a ser investigado pela PGR.

BCP é o preferido

No "research" de hoje, a Lisbon Brokers reiterou a "recomendação de "overweight" para o sector com base numa melhoria generalizada dos fundamentais económicos em Portugal".

A corretora subiu a recomendação para o BCP de "compra" para "forte compra" e o preço-alvo de 3,2 para 3,30 euros por acção, "reafirmando assim o BCP como o nosso ‘Top Pick’ no sector bancário nacional".

A Lisbon Brokers reduziu a recomendação dos títulos do BPI de "comprar" para "manter", reiniciando a cobertura das acções do banco com um "preço-alvo" de 6,90 euros.

A corretora decidiu ainda reiterar a recomendação de "compra" para o BES, bem como o preço-alvo de 16,50 euros por acção.

Outras Notícias