A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Maioria dos bancos dá “spreads” abaixo de 3% para compra de casa

CGD e BIC vieram engrossar, em Abril, a lista dos bancos que apresentam margens mínimas abaixo do patamar dos 3%. “Spread” mínimo mais alto continua a ser o do BBVA: 4%.

Paulo Moutinho 08 de Abril de 2014 às 11:55
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

O BES foi o primeiro grande banco a rever em baixa o “spread” mínimo exigido aos clientes do crédito à habitação ainda em meados do ano passado. Este ano, outros estão a seguir a tendência, reduzindo as margens mínimas para um nível inferior aos 3%. Mais de metade das instituições apresenta no seu preçário uma taxa inferior a este nível, mas nem sempre é fácil de a obter.

 

BCP, Crédito Agrícola e Banco Popular cortaram, em Fevereiro, os “spreads” mínimos praticados no crédito à habitação em Fevereiro. Em Março, o Santander Totta fez o mesmo com uma campanha em que baixou a margem para 2,99%. E, agora, em Abril, CGD e BIC juntaram-se ao movimento, engrossando a lista de bancos que apresentam margens mínimas abaixo do patamar dos 3%.

 

Dos 13 bancos considerados pelo Negócios, sete têm taxas mínimas de menos de 3%, sendo o Banco Popular aquele que oferece a solução mais vantajosa. O “spread” mínimo de 2,25% exigido pela instituição passou a ser o mais baixo do sector. Destronou o BPI, que há muito tem a taxa nos 2,5%, enquanto no lado oposto continua o BBVA com um “spread” mínimo de 4%.

 

A descida dos “spreads” nos preçários não quer dizer, contudo, que todos os clientes consigam ter acesso a estes na altura de solicitarem financiamento para a compra de casa. Depois dos cortes de “spreads” realizados em Fevereiro, uma simulação realizada pelo Negócios mostrava que a margem mínima continuava nos 5%, o mesmo que acontecia há cerca de um ano quando as taxas nos preçários estavam bem mais altas.

Ver comentários
Saber mais crédito à habitação spreads bancos financiamento
Mais lidas
Outras Notícias