Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Matérias-primas começam 2008 em máximos

O ouro alcançou um novo máximo histórico e estende os ganhos da sessão anterior, o petroléo negoceia perto do máximo histórico atingido ontem, o trigo regista o maior ganho de dois dias em quatro meses, a soja negoceia perto de um máximo em 34 anos e o mi

Raquel Godinho rgodinho@negocios.pt 03 de Janeiro de 2008 às 11:10
  • Partilhar artigo
  • ...

O ouro alcançou um novo máximo histórico e estende os ganhos da sessão anterior, o petroléo negoceia perto do máximo histórico atingido ontem, o trigo regista o maior ganho de dois dias em quatro meses, a soja negoceia perto de um máximo em 34 anos e o milho está próximo de um pico de 11 meses. Tudo isto enquanto o dólar continua o movimento de desvalorização face ao euro.

O preço do ouro atingiu o valor mais elevado desde 1980, altura em que começou a ser transaccionado, ao chegar aos 866,53 dólares a onça, suportado na desvalorização da moeda norte-americana e no avanço do preço dos produtos energéticos.

Este metal subia 0,93%, mantendo a tendência de valorização de 2007, ano em que acumulou um ganho de 31%, o sétimo ganho anual consecutivo.

O petróleo alcançou, na sessão de ontem, a fronteira mítica dos três dígitos ao fixar o máximo histórico nos 100 dólares, a beneficiar da expectativa de uma forte queda nas reservas de crude dos EUA. Os analistas contactado pela Bloomberg estimam uma diminuição de 2,53 milhões de barris na semana passada, pela sétima semana consecutiva.

Por outro lado, o esperado aumento da procura de petróleo por parte da China e da Índia e as preocupações que a agitação na Nigéria possa reduzir ainda mais a produção do maior produtor africano mantêm o petróleo a negociar nos 99,55 dólares o barril, em Nova Iorque.

O trigo para entrega em Março avança 3,30% para 9,45 dólares o alqueire, devido à imposição, por parte da China, de um imposto sobre a exportação de cereais, de forma a garantir o abastecimento interno e conter os aumentos de preços dos alimentos.

O Governo chinês decretou um imposto de 5% sobre as exportações de milho, arroz e soja e de 20% sobre as exportações de trigo.

Também o milho seguia animado por esta imposição e o contrato para entrega em Março subia 1,10% para 4,6775 dólares o alqueire. Ontem, o cereal tocou os 4,6950 dólares o alqueire, o valor mais elevado desde Junho de 1996.

A soja para entrega em Março ganhava 0,90% para os 12,60 dólares o alqueire, depois de na sessão de ontem ter atingido os 12,64 dólares o preço mais alto desde Junho de 1973.

O dólar registou uma queda de 11%, no ano passado, face ao dólar, para a qual contribuiu a escalada nos preços do petróleo que fazem aumentar os receios com os riscos inflaccionistas.

As perdas do dólar e o máximo histórico do petróleo alcançado ontem vieram a par da divulgação dos dados relativos à indústria nos Estados Unidos que registou uma contracção inesperada no mês passado, demonstrando que a recessão no sector imobiliário começou a estender-se a outros segmentos da economia no final de 2007.

Outras Notícias