Bolsa Morgan Stanley: Correcção das acções “foi só a entrada, não o prato principal”

Morgan Stanley: Correcção das acções “foi só a entrada, não o prato principal”

O banco alerta que a subida das yields nos Estados Unidos poderá intensificar-se, atingindo ainda mais os mercados accionistas. A correcção do início deste mês foi só uma "amostra".
Morgan Stanley: Correcção das acções “foi só a entrada, não o prato principal”
Reuters
Rita Faria 20 de fevereiro de 2018 às 12:37

A forte correcção nas bolsas norte-americanas, registada no início deste mês de Fevereiro, foi apenas uma pequena amostra dos potenciais danos decorrentes da subida dos juros da dívida. E o grande teste ainda está para vir.

Quem o diz é o Morgan Stanley, que fala da turbulência nos mercados accionistas – que levou os índices norte-americanos a viverem a sua pior semana em dois anos – como "a entrada, não o prato principal".

"Foi a entrada, não o prato principal", descreve o banco numa nota de análise assinada por Andrew Sheets, e citada pela Bloomberg.

O Morgan Stanley lembra que, apesar da subida dos juros da dívida dos Estados Unidos ter sido difícil de digerir por parte do mercado, as yields ajustadas à inflação ainda não ultrapassaram o intervalo dos últimos cinco anos.


Se, e quando, acontecer – o que não é de descartar num cenário em que os investidores estão a antecipar uma normalização mais rápida dos juros por parte da Fed – as acções poderão ser atingidas com mais força, avisa o banco.

As yields relativamente baixas têm constituído um grande suporte para as avaliações das acções, pelo que uma subida implicará que as acções terão de passar a depender dos resultados para as impulsionar, refere a nota. "E o problema é que pode haver um abrandamento já no início do segundo trimestre", alertam.

"É quando o crescimento abranda, ao mesmo tempo que a inflação aumenta, que os retornos mais sofrem", afirmam os especialistas do Morgan Stanley. "O forte crescimento global e uma boa época de resultados constituíram uma boa compensação. Continuamos atentos a uma passagem complicada para o segundo trimestre, com a inflação subjacente a subir e os indicadores de actividade moderados".

O aviso do Morgan Stanley surge num dia em que os juros da dívida norte-americana estão novamente em alta, muito próximos do valor mais alto dos últimos quatro anos. A ‘yield’ das treasuries a 10 anos sobe 2,74 pontos para 2,9023%, ligeiramente abaixo do máximo de Janeiro de 2014 alcançado na sexta-feira, de 2,9424%.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Novabase 20.02.2018

A entradas mais pesadas que o prato principal eu compro novabase

João 20.02.2018

RPG, vai ser lançada uma OVA

Ivone 20.02.2018

Cuidado com a yields. Tenho muito medo delas, especialmente à noite.

Já avisaram 20.02.2018

Vendi tudo, agora espero.

pub