Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Morgan Stanley diz S&P com espaço para aumentar «rating» da PT

A Morgan Stanley diz que a Standard & Poor’s (S&P) tem margem para rever em alta a classificação da dívida da Portugal Telecom (PT), com base na análise do rácio da dívida liquida sobre o EBITDA. Num estudo sobre o sector, a casa continua a recomendar ven

Pedro Carvalho pc@mediafin.pt 10 de Janeiro de 2005 às 11:06
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Morgan Stanley diz que a Standard & Poor’s (S&P) tem margem para rever em alta a classificação da dívida da Portugal Telecom (PT), com base na análise do rácio da dívida liquida sobre o EBITDA. Num estudo sobre o sector, a casa continua a recomendar vender as acções da operadora.

A Morgan Stanley, num estudo divulgado hoje, reviu em baixa a recomendação para o sector das operadoras telefónicas de «atractivo» para «em linha», justificando com a valorização de 14,1% conseguida pelo sector desde Junho de 2004.

Neste estudo, a France Télécom, a Telecom Itália e a Telia Sonera surgem com as apostas para 2005, num estudo em que a British Telecom, a TDC, a Swisscom e a Portugal Telecom (PT) [PTC] aparecem com recomendações de «underweight», equivalente a uma sugestão de venda (ver tabela).

Apesar de não alterar a avaliação para a operadora liderada por Miguel Horta e Costa, a equipa de analistas liderada por Paul Marsh, diz que o actual rácio da dívida líquida sobre o EBITDA (resultados antes dos juros, impostos, depreciações / amortizações) «poderá justificar um ‘upgrade’ por parte da Standard & Poor’s».

A agência de notação financeira tem um «outlook» de «estável» para a PT, sugerindo uma classificação de risco de «A-» para a dívida emitida com maturidade a longo prazo.

A TeliaSonera, a TDC e a Telekom Áustria são outras operadoras europeias que tem vindo a apresentar reduções «substanciais» no nível do endividamento.

Nos primeiros nove meses de 2004, a PT reduziu a dívida líquida em 18,5% de 3,560 mil milhões para 2,902 mil milhões de euros, tendo o EBITDA ascendido a 1,769 mil milhões de euros, mais 4,4% do que nos mesmos meses de 2003. Estes valores colocam o rácio da PT em 1,64 vezes.

As acções da PT negociavam em queda de 0,55% para 9,09 euros, numa altura em que o índice Dow Jones Euro Stoxx para o sector escorregava 0,63%.

Outras Notícias