Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Mundo aliviado com "detonação controlada"

Do Ocidente ao Oriente, da esquerda à direita do espectro político, a decisão do governo norte-americano de resgatar os dois gigantes do crédito imobiliário não causou nem surpresa, nem grandes críticas.

Eva Gaspar egaspar@negocios.pt 09 de Setembro de 2008 às 00:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
Do Ocidente ao Oriente, da esquerda à direita do espectro político, a decisão do governo norte-americano de resgatar os dois gigantes do crédito imobiliário não causou nem surpresa, nem grandes críticas.

Entre os responsáveis domina um sentimento de alívio, por a nacionalização significar o detonar, em ambiente controlado, de uma "bomba" que prometia explodir a qualquer momento e fazer mais danos num sistema financeiro ainda mal refeito do colapso do "subprime" .

Logo pela manhã, o Fundo Monetário Internacional (FMI) - tido como o "guardião" da cartilha liberal - deu o tom, elogiando, sem reservas, a actuação de Washington. Dominique Strauss-Khan, actual director-geral (e antigo ministro francês - e socialista - das Finanças), sublinhou que a assunção da Fannie Mae e da Freddie Mac pelo governo salvaguarda o sistema financeiro e a economia mundiais de um novo abalo.

A generalidade dos bancos centrais deu nota positiva à iniciativa norte-americana. "Foi uma decisão muito importante e foi bem-vinda, tendo em conta as circunstâncias", afirmou o governador do BCE, Jean- -Claude Trichet, à margem de uma reunião em Basel, na Suíça. Só o governador do banco central polaco disse ter "sentimentos contraditórios" quanto ao mérito da decisão norte-americana. "As implicações de ordem moral são preocupantes".

Aplausos vieram também da China, que permanece como uma das economias mais centralizadas do mundo.

Também em Portugal, a avaliação é positiva. Vítor Bento, economista e presidente da SIBS (a empresa que gere a rede do Multibanco), diz mesmo que actuação das autoridades dos EUA não tem "nada de transcendente", na medida em que se trata de instituições que, ainda que privadas, funcionavam com garantias públicas.

logo_empresas
Ver comentários
Outras Notícias