Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Nasdaq ganha 1,96%

As principais praças norte-americanas fecharam em alta, com o Nasdaq a marcar o melhor valor de encerramento dos últimos três meses, sustentadas pela queda dos preços do petróleo e pelos resultados da Goldman Sachs, que superaram as expectativas dos anali

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 12 de Setembro de 2006 às 21:13
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As principais praças norte-americanas fecharam em alta, com o Nasdaq a marcar o melhor valor de encerramento dos últimos três meses, sustentadas pela queda dos preços do petróleo e pelos resultados da Goldman Sachs, que superaram as expectativas dos analistas.

O Dow Jones [indu] encerrou a sessão a ganhar 0,89%, nos 11.498,09 pontos, e o índice tecnológico Nasdaq [ccpm] terminou a subir 1,96%, nos 2.215,82 – desde 2 de Junho que não fechava em valores tão elevados. O Standard & Poors [spx] fechou a valorizar 1,04%, nos 1.313,11 pontos.

A Applied Materials liderou a subida no segmento dos semicondutores, depois de o Crédit Suisse ter recomendado esta indústria.

"O preço do petróleo mais baixo é uma redução de impostos para o consumidor", comentou à Bloomberg um gestor da Awad Asset Management. O crude transaccionado em Nova Iorque e em Londres quebrou a fasquia dos 64 dólares por barril, nível que não atingia desde Março último.

Por outro lado, os resultados da Goldman Sachs excederam as estimativas dos analistas pelo terceiro trimestre consecutivo, com a empresa mais lucrativa desta indústria a anunciar que as receitas provenientes da banca de investimento e das operações bolsistas, desde o início do ano, são um recorde em Wall Street.

Apesar de o resultado líquido dos três meses terminados em 25 de Agosto ter diminuído em 1,4%, para 1,59 mil milhões de dólares (ou 3,26 dólares por acção), este superou a estimativa de 2,97 dólares por acção prevista por um inquérito da Thomson Financial a 18 analistas.

A Goldman, presidida por Lloyd Blankfein desde Junho, registou um maior volume de receitas nos primeiros três trimestres de 2006 do que qualquer casa de investimento já anunciou num ano.

Ver comentários
Outras Notícias