Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

No “Mundial das Divisas” não há Messi que valha à Argentina

A Ebury, instituição especializada em câmbio de divisas, elaborou o ranking “Mundial das Divisas”, no qual analisa a evolução do último ano das divisas dos países participantes no Mundial 2018, na Rússia.

Pedro Curvelo pedrocurvelo@negocios.pt 18 de Junho de 2018 às 19:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Ebury, instituição especializada em câmbio de divisas, elaborou o ranking "Mundial das Divisas", no qual analisa a evolução do último ano das divisas dos países participantes no Mundial 2018, na Rússia. O estudo compara a cotação das diversas divisas perante o euro, uma vez que a moeda única europeia valorizou face ao conjunto das moedas dos restantes países presentes no Mundial.

Ao contrário do que sucede dentro de campo, onde é apontada como uma das candidatas ao título, apesar do empate inaugural frente à Islândia, a Argentina de Lionel Messi ocupa o último lugar no ranking. Entre Junho de 2017 e Junho deste ano, o peso argentino desvalorizou 67,25% face ao euro. Segue-se o rial iraniano, com uma queda de 36,82% e o naira nigeriano, com uma perda de 20%. Ainda com desvalorizações fortes encontramos as moedas do México (-18,06%), Brasil (-17,64%) e Rússia (-15,22%).

Entre as 26 selecções de fora da Zona Euro apenas três países registaram uma valorização das respectivas divisas face à moeda única: Sérvia (3,77%), Inglaterra (0,70%) e Croácia (0,33%). A moeda do Senegal manteve-se inalterada face a Junho de 2017.

A Ebury assinala que a evolução das divisas pode influenciar o mercado de transferências no futebol, tornando mais "apetecíveis" jogadores que alinham em clubes de países cuja moeda perdeu mais valor.

O mercado de transferências movimenta anualmente cerca de três mil milhões de euros na Europa, sublinha a Ebury, e a valorização das diversas divisas pode influenciar o preço real das transferências. "Os clubes de futebol são geridos como empresas com presença activa num mercado global, recheados de profissionais com perfil financeiro que procuram estar a par do mercado de câmbio de divisas. Dependendo do momento do mercado em que nos encontremos, a cotação pode constituir um factor que exerce um forte impacto quer na esfera desportiva, quer na esfera financeira dos clubes", considera o director-geral da Ebury para a Península Ibérica, Duarte Líbano Monteiro, citado no comunicado.

Ver comentários
Saber mais Ebury Mundial das Divisas Islândia Rússia Argentina Lionel Messi Duarte Líbano Monteiro México Brasil Zona Euro câmbios moedas
Outras Notícias