Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Nova presidente assume posto mas CMVM fica incompleta

Ainda não é desta que a administração da CMVM ficará completa. Esta quarta-feira só assumem três elementos, incluindo a nova líder Gabriela Dias. Ainda há um vogal para entrar em Dezembro. Mesmo assim, o conselho fica com um lugar vago.

Gabriela Figueiredo Dias CMVM
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 30 de Novembro de 2016 às 08:30
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

O regulador dos mercados tem nova presidente mas ainda não é desta que a administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) fica completa. Só em Janeiro, na melhor das hipóteses, é que o órgão máximo volta a contar com cinco elementos. 

Esta quarta-feira, Gabriela Figueiredo Dias assume o leme da autoridade depois de mais de um ano em que o seu antecessor, Carlos Tavares, esteve a liderar sem que para isso tivesse mandato.

A apresentação pública é no Ministério das Finanças, pelas 10:00, e ao lado da nova presidente estarão a sua vice, Filomena Martins, vinda da Caixa Geral de Depósitos, e um novo administrador, Rui Correia Pinto, que estava no Banco de Portugal (aliás, a Cresap considera que isso pode reforçar as pontes entre os dois reguladores).

Filomena Martins vai para o lugar até aqui ocupado por Gabriela Dias enquanto Rui Correia Pinto substitui Maria dos Anjos Capote. A entrada em funções ocorre depois da consideração, pela Cresap, de que todos têm um perfil "adequado" e após as audições parlamentares a que estão obrigados os nomes propostos para reguladores.

Mas houve outro nome que foi também aprovado pela Cresap e que já teve a sua audição no Parlamento: João Gião. O antigo funcionário da CMVM, vindo directamente do Mecanismo Europeu de Estabilidade, vai para administrador do regulador mas apenas quando acabar o mandato de Carlos Alves, no mês de Dezembro. Não é, por isso, apresentado formalmente esta quarta-feira. 

Mesmo depois de João Gião chegar à CMVM, ficam quatro administradores num regulador que deve contar com cinco elementos. O Ministério das Finanças não respondeu às questões feitas pelo Negócios sobre o tema.

Ver comentários
Saber mais CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Gabriela Figueiredo Dias Carlos Tavares Ministério das Finanças Filomena Martins Caixa Geral de Depósitos Rui Correia Pinto Maria dos Anjos Capote João Gião
Mais lidas
Outras Notícias