Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Nova arma do BCE atira juros das empresas para baixo de 1%

Mario Draghi arrancou com a compra de empresas, elegendo sectores mais conservadores dos países do sul da Europa.

Reuters
Paulo Moutinho | Rita Faria afaria@negocios.pt 08 de Junho de 2016 às 17:56
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

O Banco Central Europeu (BCE) deu o tiro de partida para as compras de dívida de empresas, programa que se junta ao de aquisição de obrigações soberanas. É mais uma das "armas" da autoridade monetária da Zona Euro que logo à partida atirou os juros das cotadas para baixo da fasquia de 1%.


Depois de gastar mais de um bilião de euros em títulos de dívida pública desde Março de 2015, Mario Draghi virou-se para as empresas. Desde que anunciou que iria comprar dívida de cotadas, a taxa das obrigações destas tem vindo a aliviar no mercado secundário. E a taxa média das obrigações do sector não financeiro com "rating" de qualidade chegou a 0,98% no dia de estreia da nova "arma" do BCE, de acordo com o índice do Bank of America Merrill Lynch.


Empresas de sectores mais conservadores foram, segundo os analistas, as eleitas pelo BCE para pôr o programa em marcha. Energéticas, telecomunicações e seguros foram os sectores eleitos, com parte do dinheiro gasto nestas operações a visar títulos do sul da Europa – não há dados para Portugal. De acordo com analistas citados pela IFR, da Reuters, houve compras de dívida a dez anos da Generali, uma segura italiana, mas também de títulos com a mesma maturidade da operadora espanhola Telefónica. Em França, a Engie, uma eléctrica, foi a eleita.


"Por agora, as compras são normais", diz um investidor citado pela Reuters. Tanto em termos de prazos como das empresas que estão a ser alvo, "mas pelo que conseguimos perceber, eles [os bancos centrais em nome do BCE] já estão a tentar diversificar em termos de sectores para evitarem distorções de preços" no mercado.


Essa diversificação pode, contudo, vir a revelar-se difícil. Isto porque o mercado alvo do BCE é limitado. Os títulos que existem estão avaliados entre 500 e 600 mil milhões de euros, mas tendo a ser dominado por grandes empresas francesas e holandesas que têm maior facilidade de acesso ao mercado pelo que poderão não necessitar do dinheiro do BCE.

Ver comentários
Saber mais juros empresas compras dívida obrigações BCE Mario Draghi
Outras Notícias