Bolsa Orey lança experiência Uber no investimento

Orey lança experiência Uber no investimento

A Orey Financial lançou, no final do ano passado, uma aplicação de gestão de património.
Orey lança experiência Uber no investimento
Miguel Baltazar
Raquel Godinho 04 de março de 2018 às 22:20
A Orey Financial lançou, no final do ano passado, uma aplicação de gestão de património. O objectivo é proporcionar uma experiência Uber aos clientes que queiram investir. Requer um investimento mínimo de dez mil euros e conta já com 15 utilizadores, adianta Catarina Castro, administradora das áreas de negócio da Orey Financial.

Uma das apostas da Orey, para 2018, é a aplicação lançada no final do ano passado e que conta com mais de uma dezena de investidores. "É um bocadinho a experiência Uber que queremos dar aos clientes que pretendem investir mas não querem tomar conta do seu património", diz Catarina Castro.

Para começar, os utilizadores seleccionam um perfil de gestão de patrimónios definido pela Orey. Destina-se a clientes que dizem "não quero um produto de um banco, quero um produto que seja líquido, que posso vender, resgatar, sem custos, a qualquer momento, que posso simplesmente dizer hoje quero colocar 500 euros, depois mil euros e tenho eu o controlo dessa poupança no telemóvel e controlo também toda a aplicação desse investimento, podendo num simples ‘click’ resgatar tudo e está na conta bancária no dia a seguir", acrescenta. O utilizador "consegue ver as operações a acontecerem, mas não consegue mexer na gestão dessa carteira" que é da responsabilidade da Orey Financial.

Nesta fase, o montante mínimo de investimento é de dez mil euros, com reforços a partir de 500 euros. "É o início da democratização da gestão de patrimónios, mas esperamos alcançar os mil euros de investimento mínimo que é aquilo que se faz lá fora", frisa. Por questões de política comercial, a administradora das áreas de negócio da Orey Financial não quis revelar os encargos associados a esta aplicação.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Democratização da Gestão de Patrimónios 04.03.2018

Votos para que a Orey tenha pleno êxito:
-servindo os Clientes oferecendo-lhes oportunidade antes proporcionada às grandes fortunas;
-servindo o País pelo que a iniciativa significa de estimulo à Poupança.
Refira-se que a primeira tentativa de Democratização da Gestão de Patrimónios,
foi levada a cabo em Portugal pela gestora de Fundos de Investimento
do antigo Banco Nacional Ultramarino (BNU), absorvido pela Caixa Geral de Depósitos.
Era oferecida uma carteira otimizada de Fundos,
estruturada com recurso a inteligência artificial e criando dois níveis adicionais de valor:
- na estruturação da carteira, em que pela aplicação da metodologia do Nobel Markowitz se otimizava a relação rendibilidade/volatilidade;
- na personalização da carteira, ajustando-a ao nível de sensibilidade ao risco do cliente, determinado ao balcão de forma expedita, mas com todo o rigor.
As vendas de Fundos subiram espetacularmente canibalizando os Depósitos.
Mas estes passados 2 meses recuperaram nível inicial

comentários mais recentes
Democratização da Gestão de Patrimónios 04.03.2018

Votos para que a Orey tenha pleno êxito:
-servindo os Clientes oferecendo-lhes oportunidade antes proporcionada às grandes fortunas;
-servindo o País pelo que a iniciativa significa de estimulo à Poupança.
Refira-se que a primeira tentativa de Democratização da Gestão de Patrimónios,
foi levada a cabo em Portugal pela gestora de Fundos de Investimento
do antigo Banco Nacional Ultramarino (BNU), absorvido pela Caixa Geral de Depósitos.
Era oferecida uma carteira otimizada de Fundos,
estruturada com recurso a inteligência artificial e criando dois níveis adicionais de valor:
- na estruturação da carteira, em que pela aplicação da metodologia do Nobel Markowitz se otimizava a relação rendibilidade/volatilidade;
- na personalização da carteira, ajustando-a ao nível de sensibilidade ao risco do cliente, determinado ao balcão de forma expedita, mas com todo o rigor.
As vendas de Fundos subiram espetacularmente canibalizando os Depósitos.
Mas estes passados 2 meses recuperaram nível inicial

pub