Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ouro impulsionado por receios em torno do abrandamento do crescimento económico

A matéria-prima segue a ganhar terreno, impulsionada pelos receios dos investidores em torno do abrandamento do crescimento económico global. Os receios em torno dos mercados e da capacidade dos líderes políticos para resolverem a crise da dívida, aumentam o incentivo dos investidores para recorrerem a activos seguros, como é considerado o ouro.

Andreia Major amajor@negocios.pt 30 de Setembro de 2011 às 11:20
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Os preços do ouro estão a subir em Londres e em Nova Iorque, dado que os receios relativos ao abrandamento do crescimento económico impulsionam o recurso ao ouro, considerado um activo de refúgio.

As queda maior que o previsto pelos economistas, em Agosto, das vendas a retalho na Alemanha, a diminuição da produção industrial chinesa pelo terceiro mês consecutivo, e dados que serão revelados hoje e poderão mostrar que o consumo dos consumidores dos Estados Unidos abrandou em Agosto, estão a afugentar os investidores dos mercados.

Em contrapartida, os activos seguros, ou de refúgio, como é considerado o ouro, são beneficiados, dado que representam um investimento seguro e atraem os investidores em período de crise.

A Tailândia, a Bolívia, e o Tajiquistão, impulsionaram as reservas de ouro numa quantidade combinada de 18,2 toneladas métricas em Agosto, avaliadas em mil milhões ao preço médio desse mês. O ouro já caiu 15% este mês face ao valor recorde que registou a 6 de Setembro.

O ouro para entrega imediata, negociado em Londres, avança 1% para 1.631,3 dólares por onça. O ouro para entrega em Dezembro, negociado no Comex em Nova Iorque, sobe 0,88% para 1.628,57 dólares por onça.

“A procura física é extremamente forte”, disse Afshin Nabavi, vice-presidente da refinaria de ouro MKS Finance, à Bloomberg.

“A economia europeia não está a ter um desempenho muito bom, e os problemas nos Estados Unidos também ainda não acabaram. Os preços altos do ouro não impediram os bancos centrais de o adicionarem às reservas. Isso é positivo”, concluiu Nabavi.

Ver comentários
Saber mais ouro matéria-prima Londres Nova Iorque
Mais lidas
Outras Notícias