Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ouro sobe para perto de novo máximo

Os contratos de futuros sobre o ouro subiram para perto de um novo máximo dos últimos sete anos, ao ultrapassar os 383 dólares por onça, devido à especulação de que os investidores procuram alternativas aos mercados accionistas.

Negócios negocios@negocios.pt 09 de Setembro de 2003 às 17:34
  • Partilhar artigo
  • ...

Os contratos de futuros sobre o ouro subiram para perto de um novo máximo dos últimos sete anos, ao ultrapassar os 383 dólares por onça, devido à especulação de que os investidores procuram alternativas aos mercados accionistas.

O ouro acumula uma subida de 10% desde o início do ano, beneficiando dos receios gerados pela guerra no Iraque e de uma queda do dólar, o que torna a mercadoria mais barata para os investidores das áreas do euro e do iene.

O contrato para entrega em Dezembro subiu 7,20 dólares (6,41 euros), ou 1,9%, para os 383,40 dólares (341,47 euros) por onça em Nova Iorque. Se o futuro fechar a esse preço será o valor mais elevado desde Novembro de 1996 para um contrato de referência do ouro

«As pessoas estão um pouco cépticas em relação ao comportamento futuro dos mercados accionistas depois das subidas registadas este ano», afirmou um especialista do sector à Bloomberg.

A subida acelerou depois dos preços terem subido acima dos 379,90 dólares (338,35 euros), o valor de fecho mais elevado dos últimos seis anos registado a 4 de Fevereiro.

Normalmente, os fundos que apostam em mercadorias compram mais quando vêem padrões históricos a serem quebrados, segundo a mesma fonte.

O euro subia hoje 0,4% contra o dólar, enquanto o iene avançava 0,3% face à divisa americana, tornando as aquisições de ouro mais baratas para quem usa as moedas europeia e japonesa.

As mercadorias, desde o algodão ao cobre, subiram este ano, com os investidores a estimar que uma recuperação na economia mundial resultará numa maior procura de matérias primas.

O ouro é frequentemente visto como um investimento de refúgio à subida da inflação que pode acompanhar o crescimento económico.

Ver comentários
Outras Notícias