Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Padinha pode estar de saída da Vivo

  Francisco Padinha deu hoje a entender que pode estar de saída da Vivo, tal como foi cotado pela imprensa brasileira. «Já estou cá há bastante mais tempo do que eu esperava», admitiu, em conferência de imprensa para apresentação de resultados da Telesp C

Bárbara Leite 29 de Abril de 2005 às 18:50
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Francisco Padinha deu hoje a entender que pode estar de saída da Vivo, tal como foi cotado pela imprensa brasileira. «Já estou cá há bastante mais tempo do que eu esperava», admitiu, em conferência de imprensa para apresentação de resultados da Telesp Celular Participações.

No âmbito do acordo de accionistas entre a Portugal Telecom e a espanhola Telefónica Móviles, inserido na junção dos activos na telefonia móvel do Brasil, a operadora portuguesa ficou com o direito de nomear o presidente executivo, que não tem mandato, confirmou Padinha ao Jornal de Negócios Online.

«Não temos mandatos. Mas no máximo, os expatriados da PT ficam três anos fora», explicou para justificar a sua eventual saída do cargo no Brasil.

Sem admitir que possa regressar a outro cargo na PT, Padinha garantiu que poderá ser substituído quando «estiverem reunidas as condições» para isso acontecer.

Todavia, assegurou, que será sempre a PT a nomear o seu substituto, o que descarta a informação que circulava no mercado que Padinha poderia sair porque daria lugar a um colega nomeado pela Telefónica Móviles. Ou seja, pensava-se que a presidência executiva era alternada pelos dois sócios ibéricos.

Padinha assumiu a presidência executiva da Vivo, «holding» que reúne os activos da PT e da Telefónica na telefonia móvel, em Abril de 2003, mas foi um ano e meio antes para organizar os contornos da parceria. Está há mais de três anos no Brasil.

Como não há mandatos, o executivo português pode sair em qualquer altura do ano.

O outro executivo da Vivo, Luis Avelar, com o pelouro de marketing, tem sido uma excepção a essa regra. Chegou ao Brasil, antes da privatização das telecomunicações, depois foi para a Telesp Celular e agora está na Vivo, nestes últimos sete anos.

*Correspondente em São Paulo

Ver comentários
Outras Notícias