A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo cai mais de 2% e acentua perdas da semana passada

O petróleo negoceia em queda pela primeira vez em três dias e acentua a perda registada na última semana. A pressionar está a dimensão das reservas que são superiores à média e que interromperam as recentes subidas da matéria-prima baseadas em especulação de que a recuperação da economia conduziria a procura.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 31 de Agosto de 2009 às 10:41
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
O petróleo negoceia em queda pela primeira vez em três dias e acentua a perda registada na última semana. A pressionar está a dimensão das reservas que são superiores à média e que interromperam as recentes subidas da matéria-prima baseadas em especulação de que a recuperação da economia conduziria a procura.

O crude desce 2,02% para 71,27 dólares em Nova Iorque e o “brent”, que serve de referência às exportações portuguesas, cai 2,29% para 71,12 dólares em Londres.

As reservas norte-americanas de combustíveis destilados, que incluem gasóleo e petróleo de aquecimento, subiram para um máximo de quatro semanas, de 162,4 milhões de barris na semana passada, anunciou o Departamento da Energia a 26 de Agosto. Um valor que é próximo dos níveis de 1983.

Paralelamente, a empresa estatal dos Emirado Árabes Unidos reduziu o ritmo de cortes no fornecimento de petróleo pela primeira vez em sete meses. Um sinal de que os membros da OPEP podem estar a exceder os objectivos de produção.

“À medida que entramos no Outono vamos começar a focar-nos nos combustíveis destilados e neste momento estas reservas estão em níveis muito elevadas, além disso temos ainda as flutuações das reservas na Europa”, disse um gestor sénior da consultora Purvin & Gertz, em Singapura. “A procura continua fraca o que torna o preço vulnerável”, acrescentou

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias