Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo afunda 2,5% com receios de quebra da procura

O preço do barril de petróleo mantinha a tendência de queda verificada desde o início da sessão e desvalorizava mais de 2,5% nos mercados internacionais, com o mercado a recear que as elevadas cotações da matéria-prima venham a diminuir a procura.

Paulo Moutinho 15 de Maio de 2006 às 12:55
  • Partilhar artigo
  • ...

O preço do barril de petróleo mantinha a tendência de queda verificada desde o início da sessão e desvalorizava mais de 2,5% nos mercados internacionais, com o mercado a recear que as elevadas cotações da matéria-prima venham a diminuir a procura.

O West Texas Intermediate (WTI) [cl1], transaccionado em Nova Iorque, seguia a descer 2,47% para os 70,26 dólares, tendo chegado a recuar 2,5% durante a negociação. Em Londres, o barril de «brent» [co1] desvalorizava 2,65% para os 70,40 dólares.

A pressionar as cotações da matéria-prima estão os receios do mercado, de que os elevados preços do «ouro negro» nos mercados internacionais possam vir a reduzir a procura.

Para além disso, os preços do petróleo estão também a reagir às declarações do ministro do petróleo da Arábia Saudita, Ali Al-Naimi, que afirmou que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) está a fazer o suficiente para aumentar a capacidade de produção da matéria-prima, e que os produtores têm que ser «cautelosos» acerca das projecções de consumo, isto porque «o crescimento global das economias poderá não continuar nestes níveis elevados por alguns anos».

Naimi acrescentou ainda que os actuais preços do petróleo podem vir a provocar um abrandamento da economia mundial. «Quando os preços são elevados, as pessoas verificam os seus ‘bolsos’, e quando os preços estão baixos abrem-nos», afirmou o ministro do maior produtor de petróleo do continente africano.

Apesar das fortes quedas verificadas na sessão de hoje, e na da passada sexta-feira, os preços do petróleo registam ainda uma valorização de mais de 15% desde o início do ano em Nova Iorque, e quase 20% no mercado londrino.

Ver comentários
Outras Notícias