Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo afunda mais de 5% sem acordo na OPEP

Após o insucesso da reunião entre os responsáveis por grande parte da produção mundial de petróleo, o preço da matéria-prima está agora afundar. Já chegou a cair quase 7%, reflectindo a perspectiva de que a elevada oferta irá manter-se.

A carregar o vídeo ...
How Markets Are Reacting to Failed Doha Oil Deal
André Tanque Jesus andrejesus@negocios.pt 18 de Abril de 2016 às 09:08
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...

O petróleo está a afundar esta segunda-feira, 18 de Abril. A matéria-prima segue, actualmente, a perder mais de 5%, tanto no mercado londrino como em Nova Iorque, mas já chegou a cair quase 7%. Desempenhos negativos, um dia depois de a Organização dos Países Produtores de Petróleo não ter conseguido chegar a acordo para limitar a produção de petróleo.

41,03 dólares por barril. Este é o preço a que o Brent, negociado em Londres, está a cotar esta segunda-feira. Representa uma queda de 4,80% face à última sessão, ao passo que o West Texas Intermediate (WTI), em Nova Iorque, cai 4,98% para 38,35 dólares. Mas a cotação londrina do petróleo já chegou a afundar um máximo de 6,96% nesta sessão, ao passo que o WTI já esteve a cair 6,81%.

A pressionar está a conclusão da reunião da OPEP no domingo, 17 de Abril, na qual os países não conseguiram chegar a acordo. Em cima da mesa estava o possível congelamento consertado da produção, de modo a limitar a oferta de petróleo no mercado e, assim, impulsionar o preço da matéria-prima. É que o facto de este manter-se em níveis significativamente inferiores ao que era habitual – em torno dos 100 dólares – está a pôr em causa as finanças dos países produtores.

Em conferência de imprensa, o ministro do Petróleo do Qatar, Mohammed Al Sada, explicou que os Estados membros da OPEP precisam de mais tempo para consertar posições sobre os níveis de produção. Em aberto ficou a posição realização de um novo encontro em Junho.

Ver comentários
Saber mais petróleo OPEP Organização dos Países Produtores de Petróleo Arábia Saudita Rússia Brent WTI matérias-primas mercados
Outras Notícias