Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo atinge novo recorde nos 107 dólares

Os preços do crude de referência dos Estados Unidos atingiram um novo máximo histórico, nos 107 dólares, impulsionados pelas compras de contratos de futuros por parte dos investidores, uma vez que os retornos desta matéria-prima já ultrapassam os dos merc

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 10 de Março de 2008 às 15:20
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os preços do crude de referência dos Estados Unidos atingiram um novo máximo histórico, nos 107 dólares, impulsionados pelas compras de contratos de futuros por parte dos investidores, uma vez que os retornos desta matéria-prima já ultrapassam os dos mercados financeiros.

O West Texas Intermediate [cl1] para entrega em Abril segue a subir 1,3% no mercado nova-iorquino, fixando-se nos 106,51 dólares por barril. Um pouco antes, o WTI chegou aos 107 dólares, o mais alto nível desde que se iniciaram as negociações deste produto, em 1983.

Em Londres, o contrato de Abril do Brent do Mar do Norte [co1], que serve de referência à Europa, também está a ganhar terreno. O Brent valoriza 0,5% em Londres, para 102,85 dólares por barril, depois de já ter chegado a um máximo histórico de 103,98 dólares na sexta-feira.

O petróleo transaccionado em Nova Iorque ganhou 77% no ano passado, ao passo que os índices S&P500 e Dow Jones caíram, o que leva a que o ouro negro seja cada vez mais atractivo para os investidores.

Os gestores de fundos de cobertura de risco e outros grandes especuladores aumentaram as suas posições no crude, apostando em preços mais elevados na semana terminada a 4 de Março, segundo a Commodity Futures Trading Commission.

"Estamos a testemunhar um crescente fluxo de compras por parte dos fundos", comentou à Bloomberg um analista de energia do Citigroup Global Markets, Tim Evans.

"Claramente, os fundamentais são irrelevantes neste ponto", afirmou Chip Hodge, responsável da MFC Global Investment Management. "Já assistimos a bolhas noutros mercados, ao longo dos anos, e normalmente acabam por estoirar. Mas é impossível prever quando é que isso acontecerá com o petróleo", acrescentou à Bloomberg.

O Barclays Capital, divisão de banca de investimento do Barclays Bank, anunciou hoje que, na 4ª Conferência Anual dos Investidores em "Commodities", decorrida em Barcelona, destacou-se entre as principais conclusões de um "survey" de tendências do mercado de matérias-primas, que "devido à turbulência dos mercados financeiros, os investidores estão a aumentar a sua exposição às "commodities".

Com efeito, segundo os resultados do "survey", 34% dos respondentes afirmaram que nos próximos três anos terão uma percentagem de mais de 10% nas suas carteiras de investimento em "commodities" – um aumento de 12% face ao anterior "survey", realizado em Dezembro de 2007.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias