Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo cai mais de 1% e está próximo de baixar os 50 dólares em Nova Iorque

A matéria-prima está a negociar na casa dos 50 dólares em Nova Iorque e pouco acima dos 56 dólares por barril, em Londres. Esta quarta-feira serão conhecidos os dados sobre as reservas de crude nos Estados Unidos, que deverão ter aumentado em mais de dois milhões de barris.

Reuters
Rita Faria afaria@negocios.pt 22 de Julho de 2015 às 10:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais esta quarta-feira, 22 de Julho, devido aos receios de que o excesso de oferta nos Estados Unidos, que tem contribuído para a queda dos preços, vai persistir.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 1,44% para 50,13 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, desvaloriza 1,14% para 56,39 dólares.

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Americano do Petróleo, as reservas de crude dos Estados Unidos aumentaram em 2,3 milhões de barris na semana passada.

Os dados oficiais, revelados pela Agência de Informação de Energia, serão hoje conhecidos. As estimativas compiladas pela Bloomberg apontam para um aumento de 2,2 milhões de barris.  

A contribuir para os receios relativos ao excesso de oferta está ainda o acordo alcançado recentemente entre o Irão e seis potências mundiais em torno do programa nuclear iraniano, que prevê o levantamento de sanções que estão em vigor há 12 anos, e que deverão levar o país a aumentar as usas exportações de crude.

Carsten Fritsch, analista sénior no Commerzbank, considera que "a perspectiva da continuação de excedentes no mercado petrolífero, se o Irão retomar a sua oferta, continua a pesar nos preços".

Como destaca o Negócios na edição desta quarta-feira, este cenário, agravado pela expectativa da subida dos juros nos Estados Unidos, tem levado os analistas a rever em baixa as suas estimativas para o preço do petróleo. O Goldman Sachs admite um recuo até aos 45 dólares, enquanto o consultor Gary Shilling  o "guru" que previu o colapso em 2014, antecipa mesmo uma queda até aos 10 dólares. 

Ver comentários
Saber mais petróleo Londres Nova Iorque Estados Unidos mercados crude reservas
Mais lidas
Outras Notícias