Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo em alta fecha o ano com maior subida desde 1999

O petróleo está a negociar em alta na última sessão de 2007, ano em que regista a subida percentual mais acentuada desde 1999. A matéria-prima está a valorizar há seis anos seguidos e negoceia cada vez mais perto dos 100 dólares por barril.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 31 de Dezembro de 2007 às 11:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O petróleo está a negociar em alta na última sessão de 2007, ano em que regista a subida percentual mais acentuada desde 1999. A matéria-prima está a valorizar há seis anos seguidos e negoceia cada vez mais perto dos 100 dólares por barril.

Em Nova Iorque o crude soma 0,06% para 96,06 dólares e na bolsa de Londres o "brent" aprecia 0,32% para 94,18 dólares.

No acumulado do ano, o crude soma 57,29% e o brent aprecia 54,8%. O ano de 2007 fica marcado pela nova escalada nos preços da matéria-prima, que em Nova Iorque chegou a cotar a escassos cêntimos dos 100 dólares (nos 99,29 dólares).

O ganho de 2007 é o mais acentuado desde 1999. Nesse ano o crude mais que duplicou de valor, mas nessa altura os preços da matéria-prima eram bem inferiores (terminou o ano nos 25,60 dólares).

Em 2006 o petróleo avançou "apenas" 3,19%, depois de em 2005 ter apreciado 45,77% e em 2004 34,11%.

A subida das cotações no último dia do ano está relacionada com o anuncio de que o Irão vai iniciar em 2008 os trabalhos do seu primeiro reactor nuclear.

Esta noticia aumentou os receios de que possam surgir interrupções nos fornecimentos de petróleo por parte do Irão – país que tem as segundas maiores reservas de petróleo do mundo – em consequência de possíveis sanções da comunidade internacional ao programa nuclear do Irão.

Os conflitos geopolíticos explicam grande parte da escalda dos preços do petróleo, pois muitos dos países produtores da matéria-prima estão localizados em regiões de grandes conflitos e instabilidade.

O forte aumento do consumo por parte de países emergentes, como a China e a Índia, bem como a queda do dólar face ao euro em 2007, também justificam a escalada dos preços do petróleo.

Outras Notícias