Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portucel arranca resultados do semestre em Lisboa

A crise europeia vai continuar no foco dos investidores, que aguardam novos detalhes do plano para a banca espanhola na reunião do Eurogrupo de sexta.

Patrícia Abreu pabreu@negocios.pt 16 de Julho de 2012 às 09:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...
A época de resultados do segundo trimestre arranca esta semana no mercado nacional . Depois da Alcoa ter inaugurado a "earning season" nos EUA, a Portucel dá o pontapé de saída em Portugal, esta quinta-feira. A crise da dívida na Europa e os habituais indicadores económicos são outros dos factores que vão ditar o rumo dos mercados ao longo dos próximos dias.

Num momento em que a crise da dívida soberana continua a determinar o rumo dos mercados, as contas das cotadas mundiais vão dividir as atenções dos investidores. Em Portugal, a Portucel dá o pontapé de saída. De acordo com as estimativas dos analistas da Bloomberg, a papeleira deverá ter terminado o trimestre com lucros de 49,7 milhões de euros. Com a economia interna em recessão, a actividade internacional deverá ter um papel fundamental para contrariar a travagem no país.

Lá fora, alguns dos maiores bancos dos EUA reportam nos próximos dias as contas do primeiro semestre. Depois de, no final da semana passada, o JPMorgan ter reportado os seus resultados, já amanhã é a vez do Goldman Sachs, seguindo-se o Bank of America e o Morgan Stanley.

A banca de investimento deverá continuar a penalizar as contas dos maiores bancos mundiais. Os mercados financeiros continuam sob pressão, com os investidores a evitarem a aposta em activos de maior risco, devido ao agravamento da crise da dívida soberana europeia.

A evolução da situação dos países mais endividados do euro vai continuar a ser determinante. Depois das reuniões do Eurogrupo e do Ecofin na última semana, os ministros das Finanças da Zona Euro encontram-se, novamente, esta sexta-feira. Os responsáveis vão debater os pormenores do programa para o sistema financeiro espanhol, com vista a travar a subida dos juros da dívida espanhola, que têm estado a negociar acima dos 7% nas taxas de longo prazo.

O Executivo de Mariano Rajoy aprovou um pacote de medidas de austeridade para cumprir as metas do défice, abaixo dos 3%, em 2014. Além do corte do subsídio de Natal para os funcionários públicos, o governo espanhol aprovou ainda a subida do IVA de 18%, para 21%.

FMI revê previsões para o PIB

Com a crise da dívida pública na Europa longe de uma resolução, a economia mundial deverá continuar a sentir os efeitos nefastos da situação nos países do euro. O Fundo Monetário Europeu (FMI) divulga hoje novas previsões para a economia global. A instituição liderada por Christine Lagarde deverá rever em baixa a projecção anterior para o PIB mundial. Em Abril, a entidade previa que a economia global crescesse 3,5%, em 2012, uma estimativa que deverá ser alterada, face aos sinais de abrandamento de várias economias.
Ver comentários
Saber mais resultados Europa bolsas investimentos
Mais lidas
Outras Notícias