Obrigações Portugal deverá pagar juros baixos em leilão a 27 anos

Portugal deverá pagar juros baixos em leilão a 27 anos

O instituto que gere a dívida pública portuguesa vai, esta quarta-feira, levantar até 1.250 milhões de euros em obrigações a dez e a 27 anos. O Tesouro português deverá beneficiar com a descida recente das taxas de juro no mercado secundário.
Portugal deverá pagar juros baixos em leilão a 27 anos
Patrícia Abreu 14 de março de 2018 às 07:15
Portugal regressa esta quarta-feira ao mercado com uma emissão de dívida de longo prazo. O Tesouro deverá conseguir emitir dívida com taxas mais baixas e deverá continuar a beneficiar com o apetite por dívida portuguesa.

O IGCP vai realizar um duplo leilão de dívida de longo prazo. O objectivo é que o país se financie entre 1.000 e 1.250 milhões de euros, numa maturidade a dez e a 27 anos. Tendo em conta o valor actual a que as taxas de juro transaccionam no mercado secundário, Portugal deverá pagar um juro ligeiramente superior a 1,8% para emitir dívida a dez anos. Na última operação com a mesma maturidade, em Fevereiro, o IGCP pagou 2,046%.

Já no prazo com maturidade em Fevereiro de 2045, a última vez que Portugal emitiu dívida a 28 anos, em Julho de 2017, o país pagou um juro inferior a 4%. Actualmente, a "yield" a 30 anos transacciona bem abaixo desses níveis: 2,8%. Ciaran O’Hagan, estratego do Société Générale, acredita que os títulos "vão ser vendidos a um preço extremamente próximo dos níveis de hoje [terça-feira]".

Os investidores europeus (do centro da Europa e Reino Unido) têm ganho relevância.Cristina Casalinho
Presidente do IGCP

A par dos custos de financiamento mais baixos, a emissão deverá beneficiar ainda com a elevada procura por obrigações portuguesas. "Um grande conjunto de grandes fundos e investidores estão a comprar obrigações portuguesas, especialmente agora que Portugal está num nível de investimento", explica o estratego. Segundo Ciaran O’Hagan, "a dificuldade é encontrar a quantidade e a ‘yield’ que querem. Por isso, sentem que estão a brincar ao gato e ao rato com o sentimento do mercado", esperando pela melhor oportunidade para investir.

Também Jens Peter Sørensen defende que ainda há muita procura e a dívida nacional "é muito atractiva". O analista-chefe do Danske Bank adianta que Portugal vai continuar a beneficiar com melhorias de "rating", o que vai permitir ampliar a base de investidores, algo que já está a acontecer.

"Os investidores europeus (do centro da Europa e Reino Unido) têm ganho relevância, com destaque para os gestores de fundos mobiliários, fundos de pensões e seguradoras", adiantou Cristina Casalinho ao Negócios, no último mês. De acordo com a presidente do IGCP, "as tesourarias de bancos das mesmas áreas geográficas também têm aumentado a sua exposição".

O instituto que gere a dívida portuguesa tem aproveitado o bom momento de mercado para aumentar a maturidade da sua dívida. De acordo com uma apresentação a investidores, o IGCP recomprou, em Janeiro, 150 milhões de euros da linha de obrigações que chega à maturidade em Junho de 2019, tendo em Fevereiro recomprado 100 milhões de euros em obrigações que vencem em Abril de 2021.

S&P deixa "rating" na mesma

A Standard & Poor’s tem agendada para o final desta semana uma possível acção de "rating" para a dívida portuguesa. A expectativa dos especialistas é de que a agência de notação financeira mantenha a avaliação da dívida de longo prazo portuguesa em "BBB-", com o outlook estável, depois de a S&P se ter tornado a primeira das três grandes a voltar a avaliar as obrigações nacionais com um nível de investimento, em meados de Setembro. O foco dos investidores continua na Moody’s, a única das três grandes que mantém a dívida portuguesa num grau especulativo.







A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 14.03.2018

Portugal é um país tão pobre que diversos tratamentos hospitalares têm de ser feitos no estrangeiro. Tão pobre que na época dos incêndios os aviões de combate aos fogos têm de ser emprestados por países amigos, quando estes têm disponibilidade para tal. Tão pobre que se guardam as armas das Forças Armadas ou das polícias como se guardavam armas no século XII. Tão pobre que o ensino não oferece conteúdos digitais, entre muitos outros recursos didácticos, que são oferecidos há muito tempo aos alunos de todas as idades em economias avançadas. Tão pobre que insistem em votar em comunistas alucinados e socialistas retrógrados, como se vivessem numa Venezuela ou numa Coreia do Norte, tudo para defender o supremo direito ao trabalho (salário vitalício) esquecendo que sem capital uma economia volta rapidamente para o paleolítico. Portugal é pobre porque é pilhado por dentro. Uma economia que se contenta a criar alguns ricos avulsos que não criam qualquer valor, em vez de criar riqueza.

comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2018

Portugal é um país tão pobre que diversos tratamentos hospitalares têm de ser feitos no estrangeiro. Tão pobre que na época dos incêndios os aviões de combate aos fogos têm de ser emprestados por países amigos, quando estes têm disponibilidade para tal. Tão pobre que se guardam as armas das Forças Armadas ou das polícias como se guardavam armas no século XII. Tão pobre que o ensino não oferece conteúdos digitais, entre muitos outros recursos didácticos, que são oferecidos há muito tempo aos alunos de todas as idades em economias avançadas. Tão pobre que insistem em votar em comunistas alucinados e socialistas retrógrados, como se vivessem numa Venezuela ou numa Coreia do Norte, tudo para defender o supremo direito ao trabalho (salário vitalício) esquecendo que sem capital uma economia volta rapidamente para o paleolítico. Portugal é pobre porque é pilhado por dentro. Uma economia que se contenta a criar alguns ricos avulsos que não criam qualquer valor, em vez de criar riqueza.

General Ciresp 14.03.2018

Oh minha rica minhota nunca tenhas mais olho q barriga rapariga,leva a perna direita a frente tendo o esquerda segura.Pagar um divida sem juros ja e1dor de cabeca e falta de concentracao q nem imaginas.Es jovem,vais ter filhos,leva esta minha mensagem contigo.Dorme-se melhor com fome do q com divida

massa bruta o BIG BOSS shortista do bCP 14.03.2018

o massinhas é o principal manipulador d a cotação do MILENIUM BCP em breve ele será ENGAVETADO por destruir o PATRIMONIO NACIONAL e será fuzilado por andar TODOS os dias no BOTABAIXO bCP

ó monte de trampa de RPG 14.03.2018


massinhas o grande MAnobradoR do BCP

ó momte de trampa de massa bruta então TINHAMOS combinadao que tu e aturma do shortinho do BCP iam por hoje o BCP a 0.27 para eu comprar 5 MILHÕES de ações e depois ofereçia - te um PÓ PÒ novo e o BCP está a subir olha VAI para o TRABALHO

pub