Matérias-Primas Procura mundial de aço deverá crescer 1,8% este ano

Procura mundial de aço deverá crescer 1,8% este ano

A procura mundial de aço deverá aumentar 1,8% este ano, referiu esta terça-feira a Associação Mundial do Aço (worldsteel). As tensões comerciais crescentes podem desacelerar o mercado, adverte este organismo.
Procura mundial de aço deverá crescer 1,8% este ano
Reuters
Pedro Curvelo 17 de abril de 2018 às 15:04

A procura global de aço crescerá 1,8% este ano e 0,7% em 2019, estima a worldsteel, que agrupa mais de 160 produtores e representa 85% da oferta mundial desta matéria-prima. O bom momento da economia mundial deverá impulsionar a procura, mas as crescentes tensões comerciais, após os EUA terem anunciado tarifas sobre as importações de aço e alumínio, poderão pressionar o mercado.

Para este ano, a associação estima que a procura atingirá os 1,616 biliões de toneladas, aumentando para 1,627 biliões em 2019.

"Estamos numa fase relativamente positiva quando comparada com o ano passado e com 2016. Vemos crescimento positivo em practicamente todos os países, impulsionado, pela primeira vez em muitos anos, pelo investimento nos países mais desenvolvidos e nas economias emergentes", disse o director da worldsteel, Edwin Basson, numa conferência de imprensa em Londres.

"A excepção à regra é a China. Prevemos que a procura de aço na China estagne este ano e que decaia no próximo", acrescentou.

A associação prevê que a procura de aço no gigante asiático, que representa metade do consumo mundial de aço, estabilize este ano nas 736,8 milhões de toneladas e caia 2% em 2019, para 722,1 milhões.

A indústria do aço tem uma facturação mundial de cerca de 900 mil milhões de dólares (728 mil milhões de euros) anual.

A worldsteel estima um crescimento da procura de 1,8% este ano e de 1,1% em 2019 nas economias desenvolvidas. Nas economias emergentes, excluindo a China, o crescimento deverá ser de 4,9% este ano e de 4,5% no próximo.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub