Bolsa PSI-20 conta quarta sessão em queda com BCP e Galp a pressionar

PSI-20 conta quarta sessão em queda com BCP e Galp a pressionar

A bolsa nacional segue a tendência europeia e resvala para o vermelho. Os "pesos pesados" BCP e Galp contribuem para a queda.
A carregar o vídeo ...
Ana Batalha Oliveira 25 de setembro de 2019 às 08:10
A bolsa nacional abriu em queda, com o principal índice, o PSI-20, a ceder 0,34% para os 4.939,27 pontos. São onze as cotadas a cair, três a subir e quatro inalteradas.

Na Europa, o sentimento é igualmente negativo. A dominar a agenda está o processo de destituição do presidente dos EUA, avançado pelos democratas, os quais acusam o líder norte-americano de ter telefonado ao presidente ucraniano com o objetivo de pedir uma investigação sobre Hunter Biden, filho do vice-presidente de Barack Obama Joe Biden e agora candidato à Casa Branca. Trump suspeitaria de irregularidades na sua ligação com uma empresa ucraniana. O presidente norte-americano já se predispôs a revelar a transcrição da conversa e fala em "caça-às-bruxas" através do Twitter.

No Velho Continente, o Parlamento britânico volta aos trabalhos depois de a decisão de suspensão do mesmo ter sido considerada "ilegal" pelo Supremo Tribunal do Reino Unido, uma vez que impediu os deputados britânicos de escrutinar o Governo.

Por cá, o banco BCP cai 0,75% para os 18,60 cêntimos, acompanhado no vermelho pela Galp, Jerónimo Martins e papeleiras. O banco liderado por Miguekl Maya atinge mínimos de abril de 2017. A petrolífera recua 0,59% para os 13,60 euros num dia em que o petróleo segue a mesma tendência e desce 1,14% para os 62,38 dólares. o aumento das reservas nos Estados Unidos, aliado à perspetiva de recuperação da produção saudita, estão a pressionar as cotações da matéria-prima.

Entre as cinco cotadas que mais perdem estão ainda a Altri - em segundo no pódio - com uma desvalorização de 1,08% para os 5,97 euros. A Semapa posiciona-se pouco depois, com um deslize de 0,67% para os 11,82 pontos. Já a Jerónimo Martins mostra uma quebra de apenas 0,44% para os 15,70 euros.

A travar maiores perdas está o grupo EDP, com a subsidiara das energias limpas a liderar os ganhos, subindo 0,41% para os 9,91 euros. Segue-se a EDP, somando 0,25% para os 3,56 euros.

(Notícia atualizada às 08:18)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI