Bolsa PSI-20 não mexeu na última sessão do mês em que recuou mais de 3%

PSI-20 não mexeu na última sessão do mês em que recuou mais de 3%

O PSI-20 encerrou com o mesmo valor de fecho da sessão de terça-feira, com as acções do BCP a compensarem a queda da Jerónimo Martins.
A carregar o vídeo ...
Nuno Carregueiro 28 de fevereiro de 2018 às 16:52

A bolsa nacional fechou estável, numa sessão negativa para as acções europeias devido aos receios dos investidores com o agravamento das taxas de juro nos Estados Unidos.

 

O PSI-20 fechou nos 5.468,21 pontos, igualando o fecho da sessão de ontem. Oito cotadas fecharam em alta, nove desvalorizaram e uma fechou sem variação.

 

Nas praças europeias a sessão foi de sinal vermelho. As bolsas europeias foram condicionadas de manhã pelo discurso do presidente da Reserva Federal (Fed) dos EUA, que ontem defendeu, perante o Congresso do país, "mais aumentos graduais" das taxas de juro dos EUA. Os índices recuperaram depois terreno quando os Estados Unidos reviram em baixa a estimativa para o crescimento do PIB do quarto trimestre, de 2,6% para 2,5%, o que veio colocar um travão nas expectativas de aumentos acelerados na taxa de juro.

 

Ainda assim predominou o sentimento negativo, que a bolsa nacional conseguiu contrariar devido ao desempenho do BCP. As acções do banco liderado por Nuno Amado valorizaram 1,2% para 0,295 euros.

 

Em sentido inverso, a Jerónimo Martins fechou a cair 1,22% para 17,06 euros, sendo que depois do fecho da sessão a retalhista vai apresentar as contas de 2017. Quinta-feira, também depois do fecho da sessão, será a vez de a EDP publicar os números do ano passado, sendo que os analistas do CaixaBI estão a contar com um resultado líquido de 1.343 milhões de euros, o que representa um aumento de 40% face aos 961 milhões de euros registados em 2016 devido às mais-valias obtidas com a venda da Naturgas e Portgás. As acções da empresa liderada por António Mexia fecharam a cair 0,54% para 2,753 euros.

 

A EDP Renováveis seguiu um caminho diferente da casa-mãe (as acções valorizaram 0,35% para 7,175 euros), depois de na terça-feira ter anunciado um aumento de quase 400% dos seus lucros em 2017 e uma subida do dividendo para 6 cêntimos por acção. 

Ainda a impulsionar o PSI-20 estiveram os CTT (+1,31% para 3,41 euros) a Corticeira Amorim (+1,19% para 10,20 euros) e a Galp Energia (+0,07% para 14,87 euros).

A pressionar em baixa estiveram a Navigator (-0,31% para 4,454 euros) e a Semapa (-1,23% para 19,24 euros), a corrigir dos máximos históricos fixados esta semana.

 
Pior mês desde Janeiro de 2017

No mês que hoje termina, o PSI-20 acumulou uma queda de 3,45%, o que representa o pior desempenho desde Janeiro de 2017, quando desceu 4,36%. Apesar de Fevereiro ter sido negativo, no acumulado do ano o índice português ainda apresenta um saldo positivo (1,48%), continuando a beneficiar com os fortes ganhos de Janeiro.

Entre as cotadas do PSI-20, apenas duas ganharam terreno em Fevereiro. A Semapa avançou 4,68% e a EDP Renováveis somou 1,77%.

 

A maior queda foi protagonizada pelo BCP, que recuou 8,41% a aliviar dos fortes ganhos registados em Janeiro. Sonae SGPS e Nos marcaram perdas mensais acima de 6%.

 

(notícia actualizada às 17:13 com mais informação)




Saber mais e Alertas
pub