Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Brent" quebra barreira dos 100 dólares em Londres

O "Brent" do Mar do Norte, crude de referência para os mercados europeus, acaba de quebrar a fasquia dos 100 dólares por barril em Londres. O Brent seguia a perder 3,7% para 99,50 dólares por barril. Desde 25 de Março que não negociava abaixo do mítico nível dos três dígitos.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 09 de Setembro de 2008 às 19:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...
O "Brent" do Mar do Norte, crude de referência para os mercados europeus, acaba de quebrar a fasquia dos 100 dólares por barril em Londres. O Brent seguia a perder 3,7% para 99,50 dólares por barril. Desde 25 de Março que não negociava abaixo do mítico nível dos três dígitos.

Em Nova Iorque, o contrato de Outubro do West Texas Intermediate (WTI) seguia a cair quase 3%, para 103,17 dólares por barril.

“Trata-se de uma barreira psicológica”. A psicologia tem estado ‘bearish’ e os fundamentais têm estado ‘bearish’”, comentou à Bloomberg um estratega petrolífero da Société Générale, Mike Wittner.

Os preços do petróleo estão a ser pressionados pela expectativa de manutenção do plafond de produção por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e pela perda de intensidade do furacão Ike, que desceu para categoria 1.

A reunião teve início em Viena às 19h de Lisboa e espera-se para mais logo o anúncio da decisão. O encontro começou mais tarde do que é habitual devido ao Ramadão, salienta a Reuters Africa.

O mercado petrolífero acredita que a OPEP vai decidir-se pela manutenção do seu tecto de produção nos actuais níveis, o que tem estado a penalizar as cotações do “ouro negro”.

Segundo declarações de um delegado da OPEP à Agenzia Giornalistica Italia, o cartel poderá marcar uma reunião extraordinária para Novembro – agendando assim uma revisão da sua estratégia antes da conferência de 17 de Dezembro em Oran, na Argélia - uma vez que vários membros do cartel receiam que o mercado possa estar sobrecarregado dentro de dois meses e os preços sob pressão.

Ver comentários
Outras Notícias